30/07/2012

Arari: meu desaguar...

Meu desaguar
Hoje desagüei em mim
Observei aquelas águas silenciosas
Elas nem se importam com a cidade
Apenas vigilantes cuidam,
Zelam pelo seu povo
Que se alimenta de peixes e esperanças...

Lancei  meus olhos sobre um povo
Os meus olhos sobre aquele povo
Sobre o riso de um povo
Do meu povo.

Um povo que ainda assim,
Se cria.
Apesar de tudo!

Pensei
No que seria de mim
Sem aquele povo
Daqueles meninos
Todos, irmãos...

Lanço
o meu olhar sobre Arari,
Aliás, não tiro o olhar dele.
Olho meus irmãos, agora e
Sempre.
Enxergo...

Vejo as casas.
Olho as ruas.
Enxergo humanos.
Aquele povo que amo.
De quem tenho a pele,
O cheiro,
E tudo...

Arari é assim, em mim.

Nilson Ericeira
Robrielli

Sou candidato a vereador em Arari

Sou candidato a vereador em Arari. Meu número é 1355. Por isso não tenho tido tempo mais ainda de atualizar este blog. Licenciado pela Justiça, tento a todo instante, conquistar votos para uma possível eleição. Gostaria muito de realizar um trabalho social em Arari. Não me agrada forma de fazer políttica de muitos...
Tenho mais de trinta anos de serviço público. No meu currículo não tem máculas e nem sujeiras. Mas mesmo assim tenho tido percalços patrocinados por invejosos e incompetentes. Resisto sou forte. Minha força vem de Deus.

Sou filho de Arari. Nasci na Rua da Franca Nº 16. Meus pais são Crecy e Eliesita Ericeira. Sou político. Sou partidário. Sou filiado ao PT, desde a fundação. Não tenho medos... Sigo nessa trilha não somente pelo desejo de servir, mas sobremaneira porque sei que é possível fazer mais pelo nosso povo. Caso tenha votos suficientes para me eleger exercerei honradamente a função que me couber. Penso, aliás, vejo, sinto, que muitos filhos de Arari e, por naturalidade, nossos irmãos, são órfãos de políticas públicas. Com isso não estou xingando, mal dizendo...

Tenho conversado muito com as pessoas já faz tempo. Na última eleição tive a coragem, junto com outros companheiros do PT, de me lançar candidato a deputado estadual. Tivemos 315 votos significativos para historicamente demonstrar que não compramos consciências, não fazemos alarde com o dinheiro público e muito menos, comprometemos nossa dignidade. Dignidade para mim é um valor que não se estima. Vive-se.

Compreendo que os deputados estaduais e federais votados em Arari estão devendo nossa gente. Podemos até perdoar os que prostituem seus votos, mas não podemos aceitar os que dolosamente são votados e se vão. É como se fosse numa estação ou colheita.

Todos conhecem a minha vida e a minha história. História que dela me vanglorio, pois é digna. Isto tem me custado muito caro. Há os que tentam ofuscá-la. Não conseguem.

Se quiserem um vereador digno e que estará sempre do lado do que é justo e devido, colocando-se sempre no lugar dos que, de alguma forma, são lesados em seus direitos, pensem reflexivamente e ajude a mudar já nesta oportunidade democrática.

Nilson Ericeira

13555

ARARI SE ORGULHA DE SEU MAIS NOVO ADVOGADO


HOJE A FESTA É SUA, HOJE A FESTA É NOSSA
Com a família em festa, Arari inteira se alegrou, pois se regozija e comemora a ascenção de seu mais novo advogado. A referência é a Vinícius Ericeira Lavra, o mais novo advogado do Maranhão.

O doutor Vinícius é filho de Odete Ericeira Lavra e de José de Ribamar Santos Júnior (Zeca Pezão). Trata-se de um filho de Arari com raízes em nosso município. Vale lembrar que Vinícius Ericeira fez a proeza de ser aprovado no exame da OAB, na primeira vez, antes mesmo de concluir o Curso de Direito, pois ainda está na iminência de concluir o curso (10º período). Isto pode se traduzir numa soma de valores estimáveis.

Na minha opinião, a excelência da aprovação do novo advogado do Maranhão, filho de Arari, é uma soma de valores nutridos pelos ensinamentos, companheirismo e simplicidade de Zeca Pezão e Odete Ericeira.

Seus pais transpiram alegria pelo êxito conquistado pelo filho. Zeca Pezão, quando conversou com este jornalista e particular amigo, não conseguia disfarçar sua felicidade. É de Pezão esta expressão: “É tão importante, não é Nilsinho”? E a mãe Odete completou: “Graças a Deus, ele nunca nos deu trabalho. Com certeza é a presença de Deus”.

Esta é uma homenagem como forma de reconhecimento que tenho pelos pais de Vinícius. Pessoas que sempre me receberam no coração com afeto e estima. Retribuo dessa forma um pouco dos que lhes quero bem. Sentimento que se estende e se multiplica. Parabéns!

Nilson Ericeira

25/07/2012

Saudade: substantivo concreto

Hoje eu senti falta de você,
Aliás, eu sempre sinto falta de você.
Sinto saudade...
Talvez fosse bem melhor não falar que me amava,
Que eu era o seu melhor amigo,
E que era um amor de irmão,
Que eu era um verdadeiro irmão...
Talvez fosse melhor não se unir,
Para depois abandonar...
Talvez fosse melhor esconder,
O que me é difícil aceitar.
Há palavras que antes de ser ditas,
Precisam ser hibernadas no amor das certezas.
Agora, eu vago na incerteza de tudo.
Do que me dissestes e do que silencias.
E, principalmente, do que me silencia.
Do que se foi e do que eu não me permiti.
Antes fosse apenas uma brincadeira,
Mas antes não me tivesse roubado o brio.
Resta-me a gratidão e a consciência
Que não roubei você de ninguém.
Mas me levaram você.
Eu perdi você.
Deixando em mim o sujeito de felicidades,
Confusões, ilações, devaneios, incertezas, enfim.
Esse é o sentimento concreto,
No tom do teu silencio que,
A cada instante me esvazia.
Vou senti saudades, mas nunca esquecerei você.
Pois não se esquece o que se tem,
O que se teve e o que se foi...
Você é pessoa concreta,
É só saudade em mim.

Nilson Ericeira
Robrielli

COMPORTAMENTO

De heróis a quase filhos: fragilidades de nossos pais, nossas fragilidades

Por Tatiana Serra

Quando olho para trás e lembro das minhas primeiras referências, penso em dois grandes mestres: meus pais. Cada um deles, a seu próprio modo, me passou as primeiras lições, me deu os primeiros sins, os primeiros nãos e me ajudou a resolver os meus talvezes. São eles minhas maiores referências por toda a vida. Porém sinto que algo vem mudando nos últimos anos, e tenho percebido mais as fragilidades desses meus heróis.
Lembro que, durante toda a minha infância, ia à praia com meu pai e chegávamos até o fundo do mar. Criança é mesmo muito corajosa, e a minha coragem vinha da certeza de que, ao lado dele, nada de mal me aconteceria. Tudo, enfim, se resumia a um enorme prazer de pular e passar por todas aquelas ondas. Hoje, ele não passa do raso, e eu não vou muito além do banco de areia. Já minha mãe sempre foi o porto seguro da casa, a pessoa mais forte e positiva que já conheci. Capaz de tudo para proteger a família, ela hoje demonstra suas fragilidades e, apesar de não admitir, pede colo em vários momentos.
Agora, eu com mais de 30 e eles com mais de 60, começo a repensar a relação entre pais e filhos e me pergunto quando e como passamos a cumprir um pouco o papel de pais dos nossos pais (que eles não nos ouçam!). Quando não sei ao certo, e como ainda estou aprendendo. Essa certa inversão de papéis acontece gradualmente, e não tem chegada predefinida. Mas acontece, é fato, e ficamos espantados quando constatamos que chegou a nossa vez.
Então questiono se serei capaz de dedicar amor, carinho, cuidado e atenção na devida proporção aos meus mestres. Em certos momentos, as fragilidades dos nossos pais podem ser tantas que chega a parecer serem eles nossos filhos e nós, seus pais. Na opinião do escritor Walcyr Carrasco, tudo isso pode ser muito simples.
Na crônica Quando o filho vira pai, da revista Veja, ele relembra: “quando criança, eu precisava do apoio de meus pais. Quando envelheceram, precisaram do meu. Em maior ou menor medida, para todos nós é assim. Então por que a dúvida? Pode parecer piegas, mas acho que a vida é um eterno ciclo afetivo. Em uma época, todos nós somos filhos. Em outra, nos tornamos pais. É nossa vez de cuidar de quem cuidou de nós”.
Mas será que são como filhos que eles gostariam de ser vistos por nós? Será que gostaríamos de ser tratados como filhos dos nossos filhos? Pelo sim, pelo não, deve ser como Walcyr Carrasco diz: por que a dúvida? Se nos colocarmos no lugar deles, perceberemos que nossos pais só esperam nosso cuidado, nossa atenção e nosso respeito. Essa é uma realidade que nos assusta porque, afinal, não fomos preparados para enfrentá-la. Por outro lado, tudo isso só pode ser muito bom para todos nós, que assim nos sentimos mais próximos dos nossos heróis e nos encontramos neles, seja em suas (e em nossas) fragilidades, seja em suas (e em nossas) fortalezas.

LEIA MAIS

http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/comportamento

Preconceito é a arma dos fracos

Às vezes, não nos permitimos aceitar as pessoas do jeito que elas são. Mal maior que isso só o de odiá-las pelo seu jeito, opção diferente, enfim. Outras vezes, não nos igualamos quando essas diferenças são adquiridas ou naturais. Não importa, o que importa é que ainda falta muito para nos civilizarmos.
Quantas vezes não nos deparamos com situações que nos deveriam fazer refletir? Quantos de nós não gostaríamos de encontrar um pouquinho da felicidade que muitos diferentes têm? Mesmo assim no arrogamos em criticá-los.
Enquanto continuarmos achando que temos sempre a última palavra para todas as questões e acharmos sempre que somos os mais certos em atitudes e ações, o mundo em nada se beneficiará com isso.
È evidente que, em nosso caso, e também na Carta Universal, leia-se Declaração dos Direitos Humanos, encontramos textos alusivos a igualdade de gênero, de espécie e com isso, nos fortalecemos em Direitos. Mas isso por si só não basta. Penso que é preciso com que nos eduquemos desde o berçário para aceitar os outros. Quantos são os filhos que sofrem preconceitos? Quantos são os filhos que não aceitam seus pais? Quantos “amigos” temos que dispensar convívio pela rudez de suas ignorâncias?
A chaga do preconceito é igual vírus que passa de geração a geração e deixa marcas da intolerância. Ser preconceituoso é a infelicidade consigo próprio a partir de uma não realização de suas projeções egoísticas. Quantos de nós não amamos os diferentes com o mesmo afinco dos iguais. Quantos de nós não somos acolhidos no afeto por quem mais desprezamos? Não, não encontro respostas. Podemos chamar isso desamor.
Encontrei um dia desses, naqueles becos do centro de São Luís uma criança. Ela tem deficiência quase no corpo inteiro. Anda com dificuldades, mas nem parece. Empinava pipa com um coleguinha. Ative-me a observar aquela cena. Observaram-me e ele se aproximou e perguntou: “você gosta de papagaios. Eu disse: “sou caçador delas.” Encontrei no rosto deles a solidariedade que se deve aprender desde os tempos pueris. Encontrei mais, um exemplo de quem se completa no ser humano e só enxerga a grandeza de amar...
E sai fazendo-me mil e um questionamentos para um “dito normal”. E seguir nos conceitos que a vida me traz e com muitos porquês para preencher. Conclusão: quanto vazio há em nós.
Em síntese, sei que somos diferentes em tudo. Não adianta em nada repetirmos discursos quando, em nossas casas, em nossos bairros, em nossos municípios, em nosso estado, em nossa nação e nas nossas interações como o mundo, continuarmos, de alguma maneira, disseminado o veneno dos preconceitos que abrem crateras nas relações sociais e deixam-nos, a todo instante, mais párias, mais longes uns dos outros.

NILSON ERICEIRA

23/07/2012

Salão de Artes Plásticas de São Luís permanece aberto à visitação pública até setembro


A 3º edição do Salão de Artes Plásticas de São Luís permanece aberta à visitação pública durante todo o mês de julho no Trapiche Santo Ângelo (Oficina Escola), reunindo 108 obras de trabalhos nas categorias de pintura, escultura, instalações, fotografias, gravura, vídeo e performance, de sessenta artistas locais diferentes.
Com quase dois meses de exposição, a mostra já recebeu aproximadamente dois mil visitantes e cerca de cinquenta visitas monitoradas de escolas públicas e privadas. Especialmente para esta edição, em homenagem ao quarto centenário da cidade, todos produzidos tiveram como tema o fragmento do poema “Canhões do Silêncio”, do escritor e jornalista José Chagas.
Durante a primeira quinzena do mês de agosto, a mostra competitiva receberá uma comissão julgadora formada por três especialistas e críticos de artes de renome nacional, para a escolha dos grandes vencedores do Salão. Entre todos os participantes, cinco trabalhos receberão prêmios no valor bruto de R$ 4.000,00 (quatro mil reais), independente de categoria, além do melhor trabalho do Salão que receberá um prêmio no valor bruto de R$ 10.000,00 (dez mil reais).
Além da exposição das obras da mostra competitiva, também há uma exposição paralela, comemorativa ao aniversário de São Luís, intitulada: “Exposição Memória”. A mostra reúne fotografias antigas, cedidas por moradores da cidade, resgatadas de acervo de particulares, pesquisadores e fotógrafos profissionais e amadores, que retratam imagens do rico patrimônio artístico, arquitetônico e cultural da capital maranhense.
O Salão de Artes Plásticas é uma promoção da Prefeitura de São Luis, por meio da Fundação Municipal de Cultura (Func), e está em funcionamento até o mês de setembro, de segunda à sexta, das 9h às 13h e 15h às 19h. O Trapiche Santo Ângelo fica localizado na Avenida Vitorino Freire, s/n – Praia Grande (em frente ao Terminal de Integração).

A CIDADE OPERÁRIA E A MIRAGEM DA PROPAGANDA

Lixo acumulado próximo ao Viva Cidade Operária

CIDADE OPERÁRIA E A MIRAGEM DA PROPAGANDA

É LAMENTÁVEL O ESTADO EM QUE SE ENCONTRAM AS PRINCIPAIS VIAS DA CIDADE OPERÁRIA. A EXEMPLO, MOSTRA-SE A VIA DA AVENIDA ESTE, UM DOS CORREDORES DE ÔNIBUS À CIDADE OPERÁRIA E OCUPAÇÕES QUE O LADEIAM.

POR ESSA VIA PASSAM ÔNIBUS QUE SERVEM OS BAIRROS CIDADE OLÍMPICA, VILA JANAINA, SANTA CLARA, VILA RIOD, JENIPARANA, JARDIM AMÉRICA E O PRÓPRIO CONJUNTO CIDADE OPERÁRIA QUE OUTRORA TINHA CICLOVIAS, PARADAS DE ÔNIBUS COM ABRIGOS.

E, SE FORMOS NA MESMA DIREÇÃO, DAREMOS COM AS VIAS QUE PASSAM EM FRENTE À FEIRA. UM NOJO!

OS BURACOS SÃO TAPADOS COM ENTULHOS JOGADOS PELOS PRÓPRIOS MORADORES. O ESGOTO CORRE EMBAIXO DAS BANCAS DE PEIXE. MOSCAS, ORUBUS, CACHORROS DOENTES, RATOS E DELINQUENTES DROGADOS.

O PRÉDIO DA FEIRA ESTÁ CADA DIA PIOR. A AÇÃO DO TEMPO, USO E AUSÊNCIA DE REFORMA TÊM COLOCADO A FEIRA COMO SE FOSSE TERRA DE NINGUÉM. A AUSÊNCIA DO PODER PÚBLICO EXEMPLIFICA-SE ALI.

TOMARA QUE ALGUÉM TOME UMA AÇÃO ENÉRGICA NA CIDADE OPERÁRIA. PARA QUE SE TENHA UMA IDEIA, A CIDADE OPERÁRIA TEM UM FLUXO MUITO GRANDE DE AUTOMÓVEIS E OS PEDESTRES SÃO OS QUE MAIS TÊM SOFRIDO COM A FALTA DE SINALIZAÇÃO DE TODA ORDEM. PELA MANHÂ E NO FINAL DA TARDE PESSOAS SE ARRISCAM MEIO AOS AUTOMÓVEIS. PESSOAS IDOSAS E CRIANÇAS LEVAM HORAS E HORAS ESPERANDO QUE ALGUÉM DE BOM CORAÇÃO PERMITA PASSAR. ONDE CHEGAMOS? PARA A CIDADE OPERÁRIA AÇÃO MESMO SÓ NA AÇÃO PUBLICITÁRIA DE CAMPANHA, O RESTO É MIRAGEM.


A voz do coração

A voz do coração

A encontrei em mim
No meu céu e sol
Em meu coração.
A encontrei no amor
Inteiro,
Estavas lida!
Contemplei teus gestos,
E corpo inteiro,
Jeitos e trejeitos,
Faceirice.
Então, desejei amor,
Deduziste-me ao encanto
Mas queria encontrar o tempo
Revolvê-lo
E devolver em mim o que é encanto
Mesmo que em vento que abrasa
Ou no silêncio que fala
À voz do coração.

Nilson Ericeira

Robrielli

19/07/2012

EU PENSO ASSIM: A IMPORTÂNCIA DAS OFICINAS

Não são poucos os profissionais que, quando chegam à maior idade, são literalmente descartados do mercado de trabalho. Não lhe basta a experiência. Cada vez mais se discrimina os idosos no Brasil. A verdade é que o mercado de trabalho, exigente e discriminatório, relega nossos cidadãos da terceira idade a seres ociosos. Eles já fizeram a sua parte?
Temos que encontrar uma saída para colocar, ou melhor, recolocar em atividade milhares de pessoas que foram relegados a uma segunda classe. Imaginem que em várias profissões esse artífices poderiam contribuir com a formação dos jovens nos locais em que moram. Penso que é possível criar projetos que se criem oficinas em diversas atividades, em que os alunos- oficineiros tenham os mestres que já contribuíram no mercado, para formarem mão de obra especializada.
Percebe-se a dificuldade de se encontrar em algumas cidades profissionais autônomos como pedreiros, carpinteiros, marceneiros, ferreiros e outros. É preciso preparar essa turma para novos investimentos. Percebe-se ainda que os profissionais do Maranhão, nessas áreas, aprendem por curiosidade ou por experimentação. É preciso mais. Há a viabilidade de formar integralmente esses profissionais. O estado e os municípios deveriam assumir essa responsabilidade.
Tenho pensado que é possível fazer algo inédito nesse aspecto. Já venho trocando idéias com pessoas igualmente preocupadas. Percebo que há um enorme vácuo nessa questão.
Nós não devemos achar normal a sociedade, a família e, principalmente o Estado, matar interiormente seres que poderiam ainda contribuir com o desenvolvimento e ainda aumentar a sua autoestima. Ainda recentemente um rinoceronte me perguntou o que eu faria para criar empregos. Não respondi, pois existem pessoas tão atrasadas que não conseguem se enxergar.

Acho que Darwin vai criticar meu texto!



Arnaldo: Sarney confirma duplicação da BR-135 e refinaria da Petrobras

Waldemar Terr / Agência Assembleia

O presidente da Assembleia Legislativa, Arnaldo Melo (PMDB), informou aos colegas de plenário, nesta segunda-feira (16), que o presidente do Senado, José Sarney (PMDB), lhe informou, na semana passada, que a presidente Dilma Rousseff deu garantias de que o projeto de licitação da duplicação do primeiro trecho da BR-135 vai ser retomado, assim como o projeto de construção da refinaria da Petrobras será mantido. Em relação ao projeto da refinaria, Melo disse que a presidente informou a Sarney que haverá apenas o reescalonamento do cronograma de obras.
Arnaldo Melo contou detalhes da atuação do presidente do Senado no sentido de manter os dois projetos, por conta de críticas feitas momentos antes pelo petista Bira do Pindaré, culpando Sarney em relação aos dois casos. O presidente da Assembleia disse que se sentiu na obrigação de informar que na quarta-feira passada (4), quando estava em Brasília, no gabinete do presidente do Senado, quando se discutia muito sobre o adiamento da licitação da obra da BR-135, foi quando Sarney saiu do gabinete para falar com a presidente Dilma.
À tarde, segundo o presidente da AL, no momento em que ele foi assinar o convênio da TV Assembleia com a TV Senado e a EBC, Sarney lhe disse que conversou com a presidente da República sobre os dois assuntos. Em relação ao problema da refinaria, a presidente assegurou que a diretora da Petrobras, que estava vindo ao Maranhão, exatamente para assegurar que fora escalonado o projeto, mas não suspenso, e que a refinaria é uma realidade.
Quanto à BR-135, Melo informou que Sarney estava contente porque estão concluindo o processo licitatório e tem uma novidade que não foi divulgada ainda, que a presidente autorizou o Dnit a construir a duplicação até o entroncamento de Itapecuru. “Ele inclusive disse pessoalmente isso a mim, que tratou do assunto com a presidente da República e ela chamou o diretor e disse que o projeto é para dentro do Governo da presidente Dilma; e é para concluir a duplicação de São Luís até o Entroncamento, que era o projeto original. Passo a informação a todos os deputados que estão presentes e ao povo do nosso Estado”, afirmou.

Bira destaca que governo gastou mais de R$ 100 milhões em convênios

Assecom / Bira do Pindaré

A Secretaria de Estado de Infraestrutura anunciou no mês de junho de 2012 um valor de mais de R$ 100 milhões em convênios. A maioria das obras é destinada à pavimentação asfáltica de municípios do interior do Maranhão.

O deputado Bira do Pindaré (PT) apresentou a lista completa das cidades contempladas pelos convênios e lembrou que é papel da Assembleia Legislativa fiscalizar o Poder Executivo.

“O Poder Legislativo tem que divulgar as informações que já são públicas, isto aqui está no Diário Oficial do Estado, não estou inventando, estou apenas transmitindo a informação que já existe e é necessário que o povo acompanhe e fiscalize a execução desses convênios”, cobrou Bira.

Outra preocupação do parlamentar é a utilização desses convênios, assinados na véspera do período eleitoral, para outros fins que não sejam a pavimentação asfáltica.

“Quem são realmente os financiadores de campanha e que desviam recursos públicos, até merenda escolar, para eleger seus candidatos pelo Estado do Maranhão? Vamos descobrir quem é que tem amizade com seu Gláucio, que está atrás das grades como o mandante do assassinato do jornalista Décio Sá, vamos descobrir. Vamos fazer a CPI da Agiotagem”, desafiou Bira.

O petista avisou que já propôs a CPI da pistolagem e a CPI da propina e, nas duas ocasiões, os deputados da base do governo barraram. Ele garantiu que se a Casa quiser investigar a agiotagem não vai atrapalhar em nada o trabalho da polícia. “Temos os poderes e obrigação para fazer essa investigação, porque nós sabemos que agiotagem vai pegar prefeitos, vai pegar muita gente grande que talvez tenha até suas pegadas no Palácio dos Leões”, assegurou.

Alguns municípios receberam até R$ 1 milhão para pavimentação de vias, praças públicas e estradas vicinais e outros receberam mais de R$ 1 milhão em convênios.

Bira citou os municípios beneficiados, confira: Tutóia recebeu R$ 1 milhão; São Bento, R$ 1 milhão e 50 mil; São José de Ribamar, R$ 3 milhões e 305 mil; Magalhães de Almeida R$ 1 milhão e 53 mil; Coelho Neto está recebendo mais de R$ 2 milhões e 300 mil. São Benedito do Rio Preto R$ 1 milhão 578 mil. Sitio Novo R$ 1 milhão 186 mil; São João dos Patos R$ 1 milhão e 50 mil; Araguanã R$ 1 milhão; Itinga R$ 1,1 milhão; Pio XVII, R$ 1 milhão; Centro do Guilherme R$ 1, 050 milhão; Gonçalves Dias R$ 1,5 milhão; Grajaú R$ 1 milhão; Guimarães R$ 1 milhão; Santo Antônio dos Lopes está recebendo R$ 4 milhões; São Pedro D’Água Branca R$ 1 milhão; São João Batista R$ 2,5 milhões; Santa Inês R$ 1 milhão; Imperatriz, R$ 5 milhões; Timon R$ 2,1 milhões; Pedro do Rosário, R$ 1, 050 milhão.

ARARI NO TEMPO II

ARARI NO TEMPO


18/07/2012

Anjo

De asas de amor,
Em nuvens brancas,
No céu de mim.
Limite e horizonte de meu ser,
Meu infinito, desejo, forma,
amor!
Transporto-me a ti e a tua sinuosidade,
curvas,
escultura, lábios de mel, tela e tinta da minha arte,
Arte de sonhar, pintar em sentidos que o amor existe,
é você!

Anjo,
Segredo, química de emoção,
Silêncio que expressa,
Saudade de tudo,
Mesmo diante de ti...
Mas ser anjo é ser musa, ser fêmea,
e ser meu poema primeiro,
inteiro, respiração, minha vida.

Anjo,
Teu sorriso é vida,
Tua voz ressoante,
Desse jeito-encanto
Esse doce é teu ser...

Nilson Ericeira
Robrielli

À JUVENTUDE DE ARARI

Nestes dias tenho me encantado com a juventude de Arari. Refiro-me às pessoas ainda em idade pequena, pueril, se é que se pode dizer, jovens que embelezam nossa cidade. Meninos e meninas belos, excêntricos e inteligentes. Eles se deslocam diariamente em sua teia social. Tomara que o futuro lhes reserve o direito de morar e ser feliz em nossa terra. Que não tenham o mesmo destino que muitos tiveram: obrigaram-se a ganhar trecho, impulsionado pela falta de perspectivas.
Observe do auge da minha contemplação numa relação de amor a nossa gente. Em nosso município, percebe-se há muito, que o valor estético serve de adorno à beleza natural que cobre nosso povo. Indo para as escolas; à missão com Deus; à cultura; ao lazer; à praça, não importa, desfilam garbosamente seus jeitões de serem diferentes. Talvez por que visto pelos olhos do poeta-irmão.
A evidência de novos tempos e hábitos nos emudece diante do mundo deles. Mas eles se enturmam, se arrumam, se amam... Sinto-me um expectador de mundos, em particular dessa juventude órfão de políticas.
Hoje estou em São Luís, ontem estava lá, aliás não sai de mim. Assisto a eles em suas pecadas da revolução. Tomara que os novos tempos lhes mostrem que também na política, assim como na vida, é necessário a presença de novos atores. Que se preparem, percebe-se que é preciso.
Arari é uma das cidades em que as festas são mais animadas. Sempre foi assim. Atualmente os jovens se encontram em outros lugares diferentes dos nossos, mas sobre o mesmo solo. Arari para nós é um país: nação de amor! Os jovens de lá, apesar dos pesares, embelezam nosso município.
Nesta minha viagem, observei as pessoas no seu silêncio, indiferença e urbanidade. Em quase todas as ruas as turmas se combinam, se curtem, se amam. Assim segue a sina de uma nova geração a quem caberá o legado de exercerem os papéis dos quais julgo essenciais para a preservação de valores e, sobretudo, para o fortalecimento da cultura e história de nosso povo.
Para a felicidade de um povo é fundamental que o Poder Público exerça o seu papel. Muito mais que isso, é essencial que nossos procuradores nos representem com a altivez de história.

Nilson Ericeira

Robrielli

Arari, áurea da minha vida

Áurea da vida
Nosso tempo
Nossa terra
Nossa vida
Nosso amor.

Esse Lago
Nesse Rio
Essa ilha
Esse igarapé

Nesse tempo
I-panema, nosso amor.
Essa gente
Esse tema

Nesse enredo
É Arari o nosso amor.

Nessa aurora
Nessa manhã
Neste tempo
Essa gente, meu amor.

Nilson Ericeira
Robrielli

13/07/2012

WASHINGTON INAUGURA COMITÊ CENTRAL DE SUA CAMPANHA RUMO À PREFEITURA DE SÃO LUÍS

A GOVERNADORA ROSEANA SARNEY PARTICIPOU, AGORA À TARDE, DA INAUGURAÇÃO DO COMITÊ CENTRAL DE CAPANHA DO CANDITADO A PREFEITO DE SÃO LUÍS, WASHINGTON OLIVEIRA, E DISSE QUE A CAMPANHA DE WASHINGTON VAI FORTALECER A ALIANÇA QUE EM NÍVEL FEDERAL É PMDB E PT. QUE VAI DEMONSTRAR UNIÃO ENTRE OS PARTIDOS DA BASE ALIADA. QUE A CAMPANHA DO PT, POR MEIO DA CANDITAURA DE WASHINGTON, DEMONSTRA QUE ESTÃO UNIDOS.

ROSEANA SARNEY AGRADECEU AOS PRESIDENTES DOS PARTIDOS E TODOS OS CANDIDATOS A VEREDOR E DISSE QUE QUERIA VER AS BANDEIRAS TREMULANDO NAS RUAS E O POVO PEDINDO VOTOS. ELA DISSE QUE QUER VER A VITÓRIA DE WASHINGTON.

“VAMOS NOS ANIMAR OU NÃO VAMOS?” BRADOU A GOVERNADORA.

HOMENAGEM A UM AMIGO


Nesta semana, dia 10, fez aniversário o repórter fotográfico Lauro Vasconcelos. A quem desejo toda paz e felicidade que todo ser humano busca.

A minha homenagem a esse grande comunicador é um presente que ele mesmo tem nos oferecido por meio de belíssimas imagens, verdadeiros cartões postais, a todos que apreciam a cultura do Maranhão. Pois é da lente de sua máquina que ele captou, com exclusividade para este blog, esta imagem a qual repito: presto merecida homenagem pelo seu aniversário.
O ser humano Lauro Vasconcelos - falo do ser humano sem deixar de perceber seu desempenho enquanto comunicador por meio de imagens fotográficas que tem incorporado notícias da educação de nosso estado, bem como da cultura maranhense e de outros eventos.
Mas quem convive no trabalho com Lauro sabe da sua capacidade de agregação. Para mim um excelente amigo e parceiro. Nas horas difíceis sempre tenta de alguma forma me ajudar. Recentemente fui acolhido e ele foi um dos que me estenderam as mãos.
Meu companheiro, desejo saúde, contrição com Deus e trabalho na área de comunicação que é o que gostamos de fazer.
Aceite o meu abraço sincero e o reconhecimento de seus colegas da ASCOM/SEDUC

SHOW DE CESAR TEIXEIRA

O projeto Bandeira de Aço apresenta o show Shopping Brazil, com Cesar Teixeira e banda. Dia 3 de agosto (sexta-feira), às 22h, no Trapiche (Ponta d'Areia). Traga o seu lixo reciclável e ajude as crianças do Centro Beneficente da Paróquia Nossa Senhora da Glória.

EU PENSO ASSIM...

A MÚSICA DEVERIA FAZER PARTE DA EDUCAÇÃO NOSSA DE TODOS OS DIAS

Não entendo nada sobre música, mas sei o suficiente que a música deveria fazer parte da grade curricular de alunos de ensino básico. É raro escutarmos alguém falando que não gosta de nenhum tipo de música. A música faz parte de nossa vida. Eu reconheço que a música ajuda na formação das pessoas. Entendo que algumas escolas em todo Brasil já tem em forma transversal a música como disciplina.

Acho que não existe idade determinada para começar a estudar música. A educação é contexto, não se deve e não se pode fragmentar a educação.

Atenção futuros prefeitos, pensem à educação enquanto contexto formacional. Fazer o óbvio é bem mais fácil.



A REFINARIA DE BACABEIRA E UMA ANÁLISE PEQUENA

Tenho a impressão que a Refinaria de Bacabeira não deveria ter sido divulgada da maneira que foi. Se não vejamos:
Foi apregoado e com bastante ênfase de que a Refinaria seria para ontem. E que seriam gerados milhares de empregos diretos e indiretos. Nenhuma nem outra coisa de fato aconteceu agora.
Que São Luís em pouco tempo aumentaria sua população, até triplicaria. Isso parece que está acontecendo, pois centenas de pessoas já estão morando em São Luís, por fruto desse empreendimento e de outros que dele adviriam. Ora, por que não tiveram o cuidado de analisar os prazos, as etapas, o tempo do Governo Federal para que esta obra fosse definitivamente posta. Preferiam fazer ressoar de no Maranhão o progresso estaria acontecendo de forma bombástica.
Não atentaram para os problemas, além da frustração, que esse empreendimento traria não somente para a população que começou a incentivar seus parentes para a formação técnicas. Dezenas de cursos técnicos foram abertos. Se ainda não fecharam... Quantos lotes já não foram vendidos com alusão a implantação da Refinaria, principalmente nas cidades mais próximas?
Quantas pessoas já não deixaram outros estados com a perspectiva que se fez geraram com a implantação da Refinaria em Bacabeira? É muita frustração, mas pelo que parece isso não é importante agora.
Se centenas de pessoas já tiveram a vida ceifada no trecho de Campo de Perizes e além dele e simples duplicação de uma Br é só anuncio. É fácil imaginar a quantas eleições distam a Refinaria de Bacabeira à sua real concretização.
O hoje e o ontem se parecem é só prestar atenção. Enquanto isso refino mesmo só nos anúncios que são muito mais eficazes que a concretude do que dizem alguns políticos.

Deputados da oposição questionam projeto da Refinaria Premium

Integrantes da bancada da Oposição ocuparam a tribuna, na sessão desta quarta-feira (11), para fazer comentários sobre declarações dadas pela presidente da Petrobras, Maria das Graças Silva Foster, acerca do projeto de construção da Refinaria Premium I, no município de Bacabeira.
Graças Foster deu declarações à imprensa, após encontro com a governadora Roseana Sarney, realizado na terça-feira (10), no Palácio dos Leões.
O líder da Oposição, deputado Marcelo Tavares (PSB), afirmou que os oposicionistas ficaram extremamente preocupados e ao mesmo tempo decepcionados com a situação das obras da Refinaria Premium em Bacabeira.
“Ficamos preocupados porque entendemos que é um investimento importante para o Estado do Maranhão e decepcionados com aqueles que prometeram esta obra como a tábua de salvação do Maranhão e como uma grande obra de caráter eleitoral, pois não há como falar na Refinaria e não lembrar da reeleição da governadora Roseana”, afirmou Marcelo Tavares.
Ele chamou a atenção do Plenário para o seguinte questionamento: “Será que sem essa obra, que agora parece que não vai acontecer, a governadora teria vencido as eleições com dois mil e poucos votos ou quatro mil votos de diferença, será que teria vencido?”, questionou o líder oposicionista.
O deputado Bira do Pindaré (PT) afirmou, por sua vez, que o projeto da Refinaria Premium traz à lembrança do antigo projeto da fábrica de confecções Kao I, que seria instalado no município de Rosário.
“Eu me lembro de que a inauguração da Kao I teve toda pompa; trouxeram o presidente da República, à época Fernando Henrique Cardoso, ao Maranhão. Ele inaugurou a Kao I, uma fábrica financiada com dinheiro público, e que foi cantada em verso e prosa, que seria o caminho da redenção do povo do Maranhão na geração d e emprego e renda, mobilizou os municípios de Rosário, Bacabeira e região, e também fortemente aqui na Ilha de São Luís, e depois o resultado, nós conhecemos. Foi uma grande enganação o projeto da Kao I, e agora o mesmo acontece com o projeto da Refinaria Premium.
Para o deputado Othelino Neto (PPS), a vinda da presidente da Petrobras, Graças Foster, a São Luís confirmou a suspeita de que o projeto da refinaria “não passou da criação de um grande engodo para enganar a sociedade do Maranhão.” Othelino frisou que o anúncio da refinaria foi utilizado como grande instrumento de marketing eleitoral para a eleição da governadora Roseana Sarney.
“Passados os três anos de conversa, passados os três anos de ‘empurra com a barriga’ agora a presidente da Petrobras - que ao que parece tem o estilo de dizer a verdade sem meias palavras e sem subterfúgios - derrubou e colocou por terra de vez essa mentira que foi criada para enrolar os maranhenses”, declarou Othelino Neto.
O deputado Neto Evangelista (PSDB) também manifestou sua preocupação quanto à incerteza da instalação da Refinaria Premium no Maranhão. Ele sugeriu que os deputados tenham uma audiência com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, e com a presidente da Petrobras, Graças Foster, para que seja devidamente esclarecida a situação da obra da refinaria.
“É preciso dar uma resposta à população, para que se possa botar um ponto final nisto. E não ficar mais brincando com a população porque se ficar nesse jogo vai chegar em 2014 e o atual governo vai dizer; não, nós conversamos com o governo federal e vai terminar no próximo ano se o nosso sucessor se eleger. Se o PMDB nacional parasse de pedir cargo e passasse a pedir benefícios para o Maranhão, não tenha dúvidas que nós já teríamos avançado muito mais”, declarou Neto Evangelista.

Arnaldo Melo ressalta união de todos e agradece deputados

Lenno Edroaldo / Agência Assembleia

As primeiras palavras do deputado Arnaldo Melo (PSDB), logo após sua recondução à presidência da Assembleia Legislativa para o biênio 2013-2015, foram de agradecimento. O parlamentar também ressaltou a união de todos, aspecto que possibilitou um feito inédito no Poder Legislativo maranhense, uma reeleição por unanimidade, com a presença de todos os deputados estaduais, sem que nenhum destes disputasse algum cargo na Mesa Diretora.

“Uma eleição desta forma só aumenta nossa responsabilidade em administrar a Casa do Povo da melhor forma possível, com o equilíbrio necessário, como vem acontecendo. Nós conseguimos compor uma chapa onde deputados de situação e de oposição se revezam nos cargos, buscando essa harmonia. Apesar de toda experiência, a emoção que sinto agora é a mesma de que quando assumi um mandato pela primeira vez”, disse o agora presidente reeleito.

Mesmo sem ainda ter concluído a legislatura, Arnaldo Melo disse já ter traçado prioridades para sua próxima gestão à frente da Assembleia Legislativa. Dentre elas, está a aproximação cada vez maior das atividades do Legislativo Estadual com a população maranhense. “Estamos trabalhando incansavelmente para que até o fim do ano seja concluído o prédio que abrigará o complexo de comunicação e a abertura do sinal da TV e Rádio Assembleia. Em 2013, além da Grande São Luís, queremos levar estes sinais digitais para os grandes centros do Estado, para que o eleitor possa acompanhar o trabalho de seu deputado, de quem ele depositou a confiança de seu voto”, afirmou.

Outro ponto destacado em seu discurso após a eleição, e em entrevista concedida à TV Assembleia, foi a grande produção legislativa desde que assumiu a Presidência, com a realização de inúmeras audiências públicas em São Luís e interior do Estado, seminários, painéis, congressos, além das atividades comuns em plenário.

“Cada colega desta Casa sempre encontrou a porta de nosso gabinete aberta a qualquer solicitação, principalmente nos momentos mais difíceis. Por isso aqui quero humildemente agradecer e pedir a ajuda de todos para que possamos continuar a ter consciência de nossas responsabilidades, trabalhando sempre a favor do povo do Maranhão.”

ELEIÇÃO

Arnaldo Melo também explicou a recente alteração no regimento interno, que possibilitou sua reeleição antes de fevereiro do próximo ano, como anteriormente era previsto. Segundo ele, a mudança aconteceu para que esse bom ambiente vivido na Assembleia Legislativa não fosse alterado após as eleições municipais de outubro.

“Nós presenciamos casos de deputados que começaram a se desentender e todos nós percebemos que essa tendência poderia aumentar até as eleições e após ela. Por isso, procuramos conversar com todos os deputados, todas as lideranças e todos foram unânimes em antecipar as eleições. Essa boa convivência dificilmente aconteceria se as eleições continuassem a ser programadas para fevereiro”, argumentou.

12/07/2012

A VIDA É O BEM MAIOR E IRMÃ SIAMESA DA LIBERDADE ...

Não é nada agradável e não deveria agradar também aos profissionais de comunicação e a sociedade de maneira geral, especulações a respeito de quem não se pode mais se defender. Principalmente quando este alguém foi vítima por que teve a vida ceifada por práticas criminosas. Qual o valor da fala de um bandido? Qual a verdade de quem pratica vários crimes em continência ou em conexão, ou os dois juntos? O que vale a “verdade” de alguém que se desconstitui para formar o seu próprio Estado e suas próprias leis?
Neste caso a que me refiro subjetivamente, pois assim entraria na onda dos que não pensam na família e na honra dos parentes das vítimas. Quando alguém age com práticas criminosas, condutas atípicas, age também contra a sociedade e contra a administração da Justiça. Ora bolas, então, imaginemos que alguém pudesse se revolver do túmulo e pudesse responder a especulações ou mesmo declarações de criminosos. Bolas! Aqui em análise a preservação da honra da família de quem foi vítima da covardia dos que pensaram que poderiam ser maior do que o Estado, dos que a Justiça, do que as leis que fazem e constituem o Estado justo.
Então é mais fácil criticar o morto do que criticar quem lhes tirou a vida e deixou na orfandade uma legião de profissionais livres que tem como profissão a busca e divulgação de informações. Não, não devemos entrar nessa onda.
Criticar alguém que lhe teve o bem maior arrancado covardemente por meio do crime e que, por isso nunca mais vai se defender, é mais interessante que dá ênfase a insubordinação e crueldade que nos atingiram?
Os âncoras do Maranhão, alguns meus colegas de Universidade, não deveriam falar a respeito dos atos criminosos que sujaram se sangue e terror a vida ... sem antes postarem-se contra o barbarismo, o terror, despudor, insensibilidade e artimanhas satânicas; sem antes fazerem uma reflexão. É questão de honra nos postarmos apenas de um lado: o da Justiça.
Qualquer um poderia ter sido vítima, mesmo assim ainda fomos atingidos brutalmente na nossa liberdade ...

A UMA FLOR...

MEU AMOR. AMOR PRIMEIRO. O AMOR QUE NÃO ESPEROU O VENTO, NEM O SOL, NEM ESCURECER, MAS VEIO COM A LUZ, NA FORMA DE UM AMORSIMPLES. DE QUEM ESCUTOU MEU CHORO PRIMEIROE DEPOIS SÓ RIR DE MIM. ME ABRAÇA, ME AMA, ME ACEITA...

ESTÁ COMIGO NO SENTIMENTO DE JUSTIÇA. APLAUDE MEU SENSO E MEU QUERER. POIS SABE QUE É DE JUSTIÇA E AMOR PELO PRÓXIMO. ACOLHE A MINHA LUTA, A MAIORIA ATÉ COMPREENDE, MAS PREFERE O QUE É MAIS FÁCIL E MENOS DEMORADO.

EU SEI QUE JÁ PERDEMOS ALGUNS, NÃO SE ENTRISTEÇA, POIS JÁ NÃO OS TÍNHAMOS. SÃO MUITOS OS QUE NÃO ACEITAM A VERDADE. DOS QUE PRECISAM IGUAIS A NÓS, LUTAR POR ESTA GENTE, ESTE POVO, QUE SÃO NOSSOS IRMÃOS, DESTA TERRA, QUE É NOSSO BEÇO.

OUTROS REPRODUZIRÃO OUTROS GRITOS: POR JUSTIÇA, DE QUEM NÃO SE PERMITEM ENTREGAR, NÃO SE DEIXAM DOMINAR. EU SEI QUE VOCÊ NÃO COMPREENDE A DERROTA, E ÀS VEZES NÃO COMPREENDE O MEU SILÊNCIO.

MAS TENHA PACIÊNCIA, POIS ISTO É UMA CORRENTE EM QUE PERDER FAZ PARTE. QUANDO SE TEM CONVICÇÃO DO QUE É JUSTO, DO QUÉ DIGNO, DO QUE É O ESTADO E DO QUE É SER PÁRIA.

NADA NOS INTIMIDA E COMPREENDEMOS A DERROTA, COM IGUAL ALEGRIA DE JUSTIÇA.

NILSON ERICEIRA

ROBRIELLI

ZEQUINHA BRITO E O MENSAGEIRO DE ARARI

Procuro sempre encontrar uma forma de homenagear meus irmãos de Arari. Hoje encontre um ilustre, apesar de muito simples e honesto no que faz, incluindo sua produção cultural. Falo-vos de Zequinha Brito. Um poeta, um letrista, um piadista, um cordelista.
É de sua autoria os seguintes cordéis: Drama das enchentes, Mensageiro da verdade I, Mensageiros de Arari e os candidatos na barragem I, Mensageiros de Arari e os candidatos na barragem II, Mensageiros de Arari e os candidatos na barragem III, A vida de padre Clodomir na cidade de Arari, O sonho de Ilusão faz alguém chorar, Mensageiro da verdade II, Mensageiro da fofoca e o candidatos na pororoca, O Mensageiro de Arari e o jogo dos candidatos e O Mensageiro de Arari fazendo o povo sorrir.
Sempre se envolveu na cultura e história de nosso povo. Talvez por isso mesmo escreva para todos, mas sempre se identificou com os mais humildes. Lembro-me quando criança, na minha infância quando Zequinha animava nossas noites com os gritos de quadrilhas de São João. Quem faz política em Arari que não se lembra de suas tiras de humor após o resultado das eleições. Eu mesmo já fui para a Baixinha por duas vezes e agora poderei ir à terceira vez (Pois já fui numa campanha de vereador, numa de deputado estadual e agora sou candidato a vereador). É que é dele essa feitura de mandar os candidatos derrotados para a Baixinha. De uma coisa nós temos certeza que para a Baixinha não vamos mais, pois esse lugar está completamente habitado. Então para onde vamos?
Vamos reconhecer no poeta e cordelista Zequinha Brito o seu valor para a nossa Arari da mesma forma que fazem homenagem a tantos outros.
Termino esta homenagem com um fragmento de seu livro O Mensageiro de Arari fazendo o povo sorrir:
“Me desculpe meus amigos. Se alguma coisa não lembrei. Me perdoe por favor. Se eu também exagerei. Mas confesso a vocês. Se for preciso escreverei.”



10/07/2012

Arari, o caboclinho (caboquinho) do Campo de Aviação e a vontade de ser livre

Todos os dias, bem começava o dia, lá estavam os meninos de Arari com suas gaiolas nas mãos. Uns saiam sem que seus pais soubessem para onde iam. Eu, menino, os via passarem em frente a minha casa. Esperava apenas despistar de meu pai para também acompanhá-los na aventura.
Nem mesmo a chuva fina que ia engrossando aos poucos, nem mesmo o fenômeno de chuva e sol ao mesmo tempo (casamento de raposa), tirávamos a esperança de visgar o melhor caboquinho vermelhinho que cantava no Campo de Aviação.
As gaiolas eram colocadas no arame de Conrado ou no lado oposto,ou seja, sentido campo da Sagrima. Muitos caboquinhos vinham, davam no alçapão, mas todos queríamos era o melhor. A nossa angústia durava dias e dias, horas diferentes, tempos diferentes, botadores diferentes, na sobra, no sol, no galho, no fio de arame, no chão... Ele não caia, parece que percebia nossa maldade. No final, todos vínhamos com fome e sempre prometendo outras estratégias.
No outro dia, nem tínhamos preparado nossos grampos e lá vem, senta perto faz-se faceiro, sacode o rabo e canta espichando-se todos, parece que de nós debochava. Voava, mas não se misturava com a plebe. “Ele é mesmo diferente”, dizia um gaioleiro. “Olha só como ele canta”, respondia outro.
Não é que num belo dia, igual a todos os outros os quais Deus nos dá de presente na nossa querida Arari, o caboquinho derrapa e esnoba em várias gaiolas e dá de flechada na gaiola de Peruca. “Peguei, peguei”, gritou ele em voz emocionante.
Aquele caboquinho tinha um lugar no paraíso e nunca mais foi o mesmo. Os meninos não sãos os mesmos e o Campo de Aviação transforma-se em cidade que espicha.

Menina morena

Poema pequeno
Menina pequena
Sorriso sereno
Menina morena


Poema pequeno
Sorriso ameno
Pequena menina
Morena Menina

Poema pequeno
Flor de açucena
Jardim florido
Minha morena

Minha morena
É esse meu amor incontido
Menina serena
Essa morena

Menina serena
De sorriso ameno
Flor de açucena
Meu sereno ameno

Nilson Ericeira
Robrielli

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO MARANHÃO

Aprovada a antecipação da eleição para Mesa Diretora da Assembléia Legislativa do Maranhão. Tudo certo quanto dois mais dois são seis...

Amor de pai

Amor de pai
É feito passarinho no cio.
Não tem hora para grazinar,
agasalhar, acazalar e isalar...
Amor!
Amor de pai é parceiro,
e o primeiro.
Amor de pai é andarilho.
Anda sozinho em reflexões,
em multidões.
Amor de pai cobre o corpo,
zela a alma, cura feridas,
cicatrizes.
Amor de pai vaga sozinho,
carrega no peito seu broto,
acolhe no coração.
Amor de pai é paz,
sementes, estradas, caminhos,
nosso porto seguro,
é tudo, carinho, afeição...

09/07/2012

A COMUNICAÇÃO E A VERDADE -

Refiro-me agora a uma coisa que assimilei na Universidade e tenho aprimorado no decorrer dos tempos. A Comunicação pode ser dita de diversas formas. Existem os que a fragmentam e divulgam somente o resultado de suas conveniências. Existem os que deformam e divulgam a deformação como se fora toda a verdade. Há os que se aproveitam de fagulhas e tentam passar as imagens como se o começo e o fim fossem a sua própria edição. Portanto, sempre que recebemos uma informação estaremos sempre frente a apenas a um fragmento e às vezes embalada da forma  que pretendem alguns e por determinados interesses...




VITÓRIA DO MEARIM IV

Mas destaco, tiro de entre os outros seres humanos especiais, um ser amigo de nossa família em Arari. Falo de Almir Coelho, homem de coração generoso, vocacionado para a Justiça e que abriu as portas da sua casa para nossa família quando injustiças profundas nos rondavam, tentavam nos desestabilizar e isso já perdurava. De um jeito simples e generoso, ele pôs uma pedra e agiu com dignidade, com altivez e nem por isso o fiz publicar essa atitude após longo e tenebroso sentimento passado por mim pessoalmente. Não o devo valores materiais, mas o reservo uma consideração e admiração que espero poder retribuir em gestos iguais a da sua acolhida pela verdade. Eu posso falar, pois desde o primeiro momento que deu ouvidos a nossa reparação, agiu com a capacidade de um líder, com obstinação de um homem calejado e capaz de separar o joio e o trigo ou o joio do trigo.
Acompanho também o trabalho na Educação estadual. Tem sido laboroso desde que amanhece o dia indo até algumas horas da noite. Tem sido hábil e competente. Recebe a todos sem nenhuma distinção da forma que tem que ser exercido os cargos públicos. Interage e conversa com os servidores. Preocupa-se com as demandas e dá vasão a quantas forem de sua responsabilidade.

VITÓRIA DO MEARIM III

Mas lhes conto uma história bem pessoal. De mim mesmo com algumas pessoas dessa gleba. É que eu tenho uma tia que morava em Vitória do Mearim e, nas minhas férias escolares, às vezes passava por lá. Agora por força da profissão e mesmo nas andanças da política, tenho ido com muito mais freqüência a essa cidade vitoriosa e de um povo tão bom quanto os das outras cidades que forma esse grande chão do Maranhão.
Em Vitória, temos vários amigos que remontam desde de quando meu pai vendia cuim, fragmentos de palhas de arroz que serve de ração para animais ou de serva para pescar, e que comprava os sacos em Vitória do Mearim. Eu era apenas uma criança, mas guardo na minha memória essa história que de tão real faz parte de minha vida. Em Arari tem muita gente que é filho de Vitória do Mearim e Vice-versa. Mais parece uma cidade dentro da outra. Por que não tomar ações independentes, respeitando a jurisdição e autonomia uma da outra, mas com integração...

VITÓRIA DO MEARIM II

Ontem mesmo fui a Vitória do Mearim duas vezes. Hoje fui bem cedo antes de viajar a São Luís. Acompnahei-me de uma amigo que não conhecia a cidade. Andei pelo centro, mostrei-lhe um pouco da periferia, apontei vários problemas escancardos nas vias públicas, dos quais comuns entre Arari e Vitória, tipo esgoto a céu aberto descendo para o Rio que passa. Penso que muitas ações poderiam ser desenvolvidas nesse corredor de ligação entre esses dois municípios que tem tantas características comuns. È possível que por meio de um consócio muitas ações possam chegar a esse dois municípios que se ressente de muitas ações, principalmente em áreas sociais.

VITÓRIA DO MEARIM I

O Município de Vitória do Mearim é o município mais antigo entre os vários municípios do Maranhão que têm o privilégio natural de serem banhados pelo exuberante pelo Rio Mearim. Dizem os historiadores e pessoas desse magnífico lugar que por ter uma altitude privilegiada, foi o local onde o colonizador português venceu-lhe as águas revoltas do baixo curso, fato que, provavelmente, deu origem ao nome Vitória do Mearim.
Contam-nos que as primeiras incursões pelo rio Mearim foram contemporâneas da própria colonização do Maranhão, nos séculos XVI e XVII. Daquela época, avulta, hoje, a epopeia de Manoel Beckman (final dos anos 1600), dono do Engenho Vera Cruz, vastíssima propriedade que abrangia grande parte do que depois seria o Município de Vitória do Mearim. A sede da propriedade ficava, ao que tudo indica, no lugar Santa Cruz, hoje pertencente ao Município de Conceição do Lago Açu, instalado em 1997, após desmembrar-se do de Vitória. Bequimão, como era conhecido, liderou uma revolta contra a espoliação a que o Estado fora submetido, em detrimento dos interesses dos colonos, e, por isso, foi condenado à morte na forca.

Este trecho foi adaptado do site: http://pt.wikipedia.org/wiki/Vit%C3%B3ria_do_Mearim.

Banda do Corpo de Fuzileiros Navais se apresentará em São Luís na próxima sexta-feira

A Banda do Corpo de Fuzileiros Navais está em turnê por algumas cidades do Brasil homenageando os 204 anos da corporação militar, e se apresentará em São Luís na próxima sexta-feira, dia 13, na Praça Maria Aragão, às 20 horas, com entrada gratuita. O evento é uma promoção da Prefeitura por meio da Fundação Municipal de Cultura (Func), em comemoração aos 400 anos da cidade.
O grande concerto contará com 116 músicos e vozes, em um espetáculo que mantém a tradição dos desfiles e apresentações públicas, nas quais os militares realizam, com grande precisão e simetria, suas criativas evoluções. É conhecida internacionalmente pela qualidade de suas apresentações e pelo entusiasmo que provoca no público em função da criatividade de suas coreografias e qualidade das músicas apresentadas.
Considerada uma das maiores bandas marciais do mundo, distingue-se pela presença de gaitas escocesas (gaitas de fole) entre seus instrumentos musicais. Em sua composição encontram-se também: mor, auxiliar do mor, schellenbaum, baliza, bombos, taróis, surdos, quinto-ton, pratos, liras, gaitas, flautins, cornetas lisas, cornetas com pisto, contrabaixos lisos, contrabaixos com pisto, trompetes e trombonitos.
Já participaram de grandes eventos internacionais e nacionais, entre eles, os festejos dos 200 anos da chegada da Família Real ao Brasil e na cerimônia de abertura dos Jogos Pan-Americanos. Em agosto de 2011 estiveram em  Edimburgo, na Escócia, no Edimburgh Royal Tatoo 2011, onde representou o Brasil neste que é o maior festival de bandas militares do mundo.
Essa tradicional banda vem divulgando, através dos anos, a Marinha do Brasil e o Corpo de Fuzileiros Navais. Com isso, vem também despertando o interesse pela formação de inúmeras fanfarras escolares para as quais serve de modelo, ajudando a manter uma tradição, principalmente em cidades do interior. A Banda Marcial do Corpo de Fuzileiros Navais tem seu aquartelamento estabelecido na histórica Fortaleza de São José, construída em 1736, na Ilha das Cobras, no Rio de Janeiro.

Urubus estão sendo mortos nas BR’s e MA’s do Maranhão

Na distância de aproximadamente 10 km que ligam os municípios de Arari e Vitória do Mearim, paisagens naturais nos remetem a uma nostalgia e saudade somente sentida por quem é filho daquela região. Cortadas pelo exuberante Rio Mearim, esses dois municípios têm muitas coisas em comum: o peixe fresquinho, gente boa que conversa e se ajuda, muitos pescadores e lavradores e gente humilde que dá gosto ver. Porém um cenário triste tem tocado em algumas pessoas, dezenas de urubus estão sendo mortos quando voam baixo e são tomados pelos automóveis que passam na Br 222. È que os urubus são atraídos por peixes mortos e outros alimentos podres que se acumulam à beira de açudes ou em pastos que distam poucos metros da pista, com constante movimento comercial dos produtos. Percebe-se. Ontem. Por volta de 5h, flagramos inúmeros urubus estraçalhados na pista.

Vale ressaltar que esta ave é importantíssimas no equilíbrio ecológico da região.

A BOSTOLÂNDIA

Num trecho da BR 135, na chegada e saída de São Luís, que agora completa 400 anos de existência, uma região que já está sendo denominada de “Bostolândia”. Naquele espaço que dimensiona mais ou menos entre os quilômetros 7 e 9 de quem entra, o esgoto corre na pista causando males não somente a moradores das áreas circunvizinhas, mas também a condutores e pedestres que por ali transitam.

08/07/2012

O HOMEM, OS BICHOS E MINHAS ILAÇÕES

TODOS OS DIAS UM VELHO LAVRADOR, DE NOME FRANCISCO VERCEIRA, APELIDADO DE CHICO VISIONÁRIO, APÓS EXAUSTIVA JORNADA DE TRABALHO, PUNHA-SE A REFLETIR SENTADO SOBRE O TRONCO DE ÁVORES COPUDAS QUE TINAHM PERTO DE SUA CASA. ERA MAIS OU MENOS DE UMA DUAS HORAS DE REFLEXÃO E INTERAÇÃO COM A NATUREZA.

NESSE INTERVALO QUE NINGUÉM PROCURASSE CHICO VERCEIRA, POIS NEM MESMO SUA ESPOSA E FILHOS SABIAM. O VELHO HOMEM CUMPRIA SEU RITUAL. ALÍ ADMIRAVA-SE DA NATUREZA: PÁSSAROS, LABISGOIAS, BORBOLETAS, LIBÉLULAS, CENTOPÉIAS, COBRAS... ÀS VEZES, O VELHO CHICO QUERIA CONTAR AS PECADAS DOS VAGA LUMES E CONTINUAR OUVINDO O SOM DE CIGARRAS. AS FORMIGAS, POR QUE ENFILERAVAM-SE COMO SE NUMA BUSCA PERMANETE A UMA RIQUEZA. AS FOLHAS ÚMIDAS QUE LHES UMEDECIAM OS PÉS, SERVIAM EM POUCO TEMPO DE INSTRUME E NUTRIÇÃO ÀS ARVORES. TUDO LHE QUERIA EXPLICAÇÃO.

O SEU MUNDO ANIMAL BUSCAVA-SE ENCONTRAR COM DEUS TORNAVA-SE TONTO DE TANTO PENSAR. O SEU SILÊNCIO SÓ NÃO ERA MAIOR QUE AS INÚMERAS INDAGAÇÕES QUE FAZIA PARA SI E PARA FORA. CHICO ERA DESCENDENTE DOS ERICEIRAS DE PORTUGAL, MESMO ASSIM, NÃO TINHA SANGUE NOBRE E MUITO MENOS COHECIA O PROGRESSO. À NOITE, SONHAVA COM AS NUVENS E VIA-SE NELAS COMO SE IMENSAS FLORESTAS. CEDINHO PEGAVA FIRME NO ROÇADO PARA SUPRIR NECESSIDADES COLETIVAS.

UM CERTO DIA, QUANDO AINDA CAMINHAVA, ELE OUVIU VOZES DE GENTE COMO SE QUISERA COCHICHAR. MESMO ASSIM SEGUIU EM PASSOS LARGOS. QUANDO LÁ CHEGOU, DEPAROU-SE COM O BARULHO DE SERRADEIRAS QUE ESPANTARAM AS FORMIGAS, AFUGENTARAM OS PÁSSAROS E AFRONTARAM DEUS. CONTINUOU AINDA A REFLETIR. O SÁBIO HOMEM SÓ NÃO PODIA IMAGINAR QUE NÃO SOMENTE OS BICHOS DAS FLORSTAS SOMISSEM COM A INVASÃO DO HOMEM, MAS QUE O AR QUE NOS ALIMENTA PODERÁ FALTAR PELA INFLEXÃO DO HOMEM PARA O MAL.

E A HISTÓRIA SE REPETE E ANOS, O HOMEM ESFAZIA-SE DE SI PRÓPRIO TODA VEZ QUE NÃO RESPEITA OS LIMITES DA NATUREZA. O HOMEM MORRE, AS ÁRVORES MORREM E LEVAM CONSIGO AS SOBRAS DE UMA NATUREZA MORTA.

NILSON ERICEIRA

A VERDADE É UM VALOR INQUESTIONÁVEL

Tenho me pronunciado em muitas ocasiões e confirmado que a verdade tem que ser preservada e que não devemos abrir mão de nossos valores. Com igual ênfase falo de dificuldades que muitos pais têm para educar seus filhos. Aspecto em que o filho, mesmo criando asas, não pode esquecer dos pais. Muito do que se faz em casa reflete-se nos outros ambientes sociais.
Nossos pais são nossos melhores amigos. Eles nos guardam dentro do seu ser, são obstinadamente decididos a nos amar por toda vida. Nada nos custa corresponder com esse amor por inteiro. Nossos irmãos, apesar das diferenças, refiro-me às sociais e de agregação principalmente, devemos sempre amá-los com toda nossa convicção de irmãos. Isso importa para a construção de cada um de nós. Nossos irmãoszinhos de mãos dadas na sua inocência e pureza correndo por aqueles caminhos, mas com um quê de guarda e amor. Para alguns, isso tudo passa tão rápido, principalmente quando se imaginam emancipados. Que nossas transformações fenotípicas e genotípicas e de status não nos levem a nos achar melhores que nossos primeiros parceiros, companheiros, amigos... Pensar nisto tudo é pensar em valores que são tão grandiosos que transportam os nossos corações a uma fonte de amar.
A crescente violência que nos intimida e diminui nossa cidadania e fere a nossa dignidade, têm raízes, não é abstrata ou gerada pela ação de armas brancas ou de fogo, cometido em fato atípico. É, pois, resultado, da desorganização, da perversão, do desrespeito, da imoralidade e fatores provocados pela má ação dos agentes públicos.
Os valores morais que repassamos para nossos ouvintes devem ser o norte e o sentido de nossa vida. Há uma crise moral, inegável em nosso país. Isso é evidente. Mas não devemos dá coro a inversão de valores e nos vangloriar do sucesso fácil, rasteiro, dos que usufruem do que é dos outros e ostentam-se como se fossem maiores e melhores. A alma de uma família é a dignidade Todos passamos, mas a nossa honra objetiva e subjetiva jamais passarão. O que isso importa então para os desalmados, sem coração, corruptos e aliciadores? Eu penso que nada, pois esse é o seu alimento e a sua prática. Nunca devemos fazer da exceção a regra.
É comum ouvir alguém dizendo que se chegaria ao tempo em que os honestos temeriam aparecer. Chegamos! Isto já acontece, porém, numa sociedade doente há a inversão de valores, mas prevalece para nossa consciência o que nos sedimenta, nos forma, nos alimenta como ser íntegros que optamos ser. Há os que preferem banhar-se na lama da mentira e se ensaboarem em disfarces e dissimilações. A sociedade forma-se de pitadas do bem e de pitadas do mal. O filtro disso passa pela consciência humana e pelo temor a um ser que nos é vigilante, no segue, nos orienta e nos cobre.
Não existe coisa mais confortável de que se ter a consciência tranqüila nas relações. É um fator que fortalece o vínculo de honestidade que nos dispomos a arregimentar na nossa teia. Sentir-se seguro é ter-se certeza de que não falseamos, não iludimos, não nos agachamos, não negamos nossos princípios e valores. Há pessoas que não conseguem olhar a si próprios e quando tentam não se enxergam. Quando não, enxergam um passado falseado e ilusório. Há ainda os que não conseguem disfarçar em seu lustro, egoísmo puro e hipocrisia crescente.

Nilson Ericeira

A VERDADE É UM VALOR INQUESTIONÁVEL

Tenho me pronunciado em muitas ocasiões e dito que a verdade tem que ser preservada e que não devemos abrir mão de nossos valores. Com igual ênfase falo de dificuldades que muitos pais têm para educar seus filhos. Aspecto em que o filho, mesmo criando asas, não pode esquecer de seus pais. Muito do que se faz em casa reflete nos outros ambientes sociais.
Nossos pais são nossos melhores amigos. Eles nos guardam dentro do seu ser, são obstinadamente decididos a nos amar por toda vida. Nada nos custa corresponder com esse amor por inteiro. Nossos irmãos, apesar das diferenças, refiro-me às sociais e de agregação principalmente, devemos sempre amá-los com toda nossa convicção de irmãos. Isso importa para a construção de cada um de nós.
A crescente violência que nos intimida e diminui nossa cidadania e fere a nossa dignidade, têm raízes, não é abstrata ou gerada pela ação de armas brancas ou de fogo, cometido em fato atípico. É, pois, resultado, da desorganização, da perversão, do desrespeito, da imoralidade e fatores provocados pela má ação dos agentes públicos.
Os valores morais que repassamos para nossos ouvintes devem ser o norte e o sentido de nossa vida. Há uma crise moral, inegável em nosso país. Isso é evidente. Mas não devemos dá coro a inversão de valores e nos vangloriar do sucesso fácil, rasteiro, dos que usufruem do que é dos outros e ostentam-se como se fossem maiores e melhores. A alma de uma família é a dignidade Todos passamos, mas a nossa honra objetiva e subjetiva jamais passarão. O que isso importa então para os desalmados, sem coração, corruptos e aliciadores? Eu penso que nada, pois esse é o seu alimento e a sua prática. Nunca devemos fazer da exceção a regra.
É comum ouvir alguém dizendo que se chegaria ao tempo em que os honestos temeriam aparecer. Chegamos! Isto já acontece, porém, numa sociedade doente há a inversão de valores, mas prevalece para nossa consciência o que nos sedimenta, nos forma, nos alimenta como ser íntegros que optamos ser. Há os que preferem banhar-se na lama da mentira e se ensaboarem em disfarces e dissimilações. A sociedade forma-se de pitadas do bem e de pitadas do mal. O filtro disso passa pela consciência humana e pelo temor a um ser que nos é vigilante, no segue, nos orienta e nos cobre.
Não existe coisa mais confortável de que se ter a consciência tranqüila nas relações. É um fator que fortalece o vínculo de honestidade que nos dispomos a arregimentar na nossa teia. Sentir-se seguro é se ter certeza de que não falseamos, não iludimos, não nos agachamos, não negamos nossos princípios e valores. Há pessoas que não conseguem olhar a si próprios e quando tentam não se enxergam, quando não, enxergam um passado falseado e ilusório. Há ainda os que não conseguem disfarçar em seu lustro, egoísmo puro e hipocrisia crescente.

Nilson Ericeira

Sede de amar

Sede de amar
O que meus olhos veem.
Meu coração recebe.
Sede amar de teu sentido.
Esse corpo sinuoso.
Risos de aromas, teu ser,
É festa, festar de amor.
Meu amor!
Sede minha,
Sede de amar teu ser.
Sede minha de saciar-te eternamente,
Pois, só sinto sede de ti.
Que é igual água que sacia meu ser.
Essa sede é de meu sangue em ti.
É sede de amar,
Passarinho que voa só a teu encontro.
E recolhe-se ao amor.
Sinto minha saliva na tua,
Teu ser nu meu.
É sede de amar,
Revolto em tua ausência.
Que me faz sombrio, vacilante.
Aflito, me reencontro em ti,
Que é fonte.
Só me encontro em ti.
Que revigora alma,
Alimenta meu ser,
Estanca sede de amar,
Emudece, é amor.
Sede minha e nesta poesia,
que é vida, fonte de amar.
Sede, sede minha.

Ericeira
Robrielli

07/07/2012

Boa idéia, entregar escavadeiras em algumas prefeituras do Maranhão. Tudo a ver.

Boa idéia, entregar escavadeiras em algumas prefeituras do Maranhão. Tudo a ver.

99 municípios do Maranhão foram beneficiados com o recebimento de retroescavadeiras e mágica de transformar por meio de retroescavadeiras pequenos proprietário rurais em microempresários. Isso é demais para meu cérebro.

Uma sugestão: têm municípios que já estão no buraco faz tempo.

06/07/2012

UFA! ESTOU EM FÉRIAS E DE LICENÇA

TENHO ME ALIENADO MUITO COM PROVAS NA UNIVERSIDADE. DURANTE ALGUMAS HORAS NÃO ESCUTEI PROGRAMAS DE RÁDIO, NÃO ESCREVI NADA, NÃO ASSISTI A PROGRAMAS DE TV, NÃO PRODUZI POESIAS, NÃO FIZ ARTIGOS, FALEI POUCO COMIGO MESMO E COMM OS OUTROS, NÃO ACESSEI A PORTAIS NA INTERNET, CONTUDO, NÃO BLOGUEI, PORTANTO ACHO QUE ME ALIENEI. SOCORRO! PRECISO RESPIRAR DO QUE GOSTO E É ALIMENTO PARA OS MEUS SONHOS DE JUSTIÇA. TUDO ISSO POR QUE ESTAVA FAZENDO PROVAS, MAS SE BEM QUE PODERIA, NESSE TEMPO, CUIDAR DE ASUNTOS MAIS DEMOCRÁTICOS QUE ESSA COISA ANTIPEDAGÓGICA QUE É SER AFERIDO POR FRAGMENTOS SECOS, GÉLIDOS E SEM CONTEXTO DE FORMAÇÃO INTEGRAL. NO DIREITO E, PRINCIPALMENTE NELE, DEVERÍAMOS TER PROFESSORES QUE PENSASSEM E PRATICASSEM ISSO.
AGORA VOLTAREMOS ÀS NOSSAS PUBLICAÇÕES, SEMPRE COM ENORME DESEJO DE SERVIR.
 

04/07/2012

PROFESSOR WELLINGTON: QUANDO A "DEMOCRACIA " É A VONTADE DE ALGUNS

EXISTEM COISAS E FATOS PARA OS QUAIS NÃO SE TEM EXPLICAÇÕES: A NÃO PERMISSÃO DO NO DO PROFESSOR CARLOS WELLINGTON, PARA CONCORRER A UMA VAGA DE VEREADOR EM SÃO LUÍS É UMA DELAS. ESCUTEI ATENTAMENTE O PRONUNCIAMENTO DO PROFESSOR WELLINGTON E DE OUTRAS PESSOAS DIRETAMENE ENVOLVIDAS NO PROBLEMA. NÃO HÁ ARGUMENTOS PARA TAMANHA INJUSTIÇA. CABE QUE A JUSTIÇA E O ESTADO SE RESTABELECEREM, APENAS. SÓ ISSO REPARA TAMANHA AGRESSÃO E DÍTAME. O RESTO É CONVERSA AO VENTO.

POR FALTA DE TEMPO NÃO EXPONHO TEXTO SOBRE ENTREVISTA À RÁDIO CAPITAL, CONCEDIDA PELO PROFESSOR WELLINGTON.

Liderança servidora e o paradoxo de ser serviçal

Não faço referência a sua pasta recheada de papéis que a burocracia democrática lhes impõe. Não falo de suas intermináveis reuniões. Assim como não vejo o tempo da sua pressa permanente para legislar em benefício próprio, apenas. Não falo da sua gravata torta e boca suja. E nem aponto pornofonias em seu fraco vocabulário. Não falo da sua indiferença com os problemas de seus irmãos que aparentemente não são seus e nem do auto-status de seu semideus. Ainda bem que é metade, é pó. Muito menos ainda a laudas e laudas que têm por obrigação produzir nas manhas e artimanhas do poder (leia-se poder e autoritarismo).
Refiro-me a espontaneidade e predisposição para se tornar liderança com a finalidade de servirem aos que precisam. Aponto aqueles que amam e fazem disso combustível de convivência, bem-querer, fazer questão. Um líder jamais discrimina as pessoas e nem hostiliza quem tem opiniões contrárias, muito menos pauta-se por mentiras. Este respeita opiniões que nem sempre são iguais as suas. Subestimá-los é igual sentença de morte. Aquele é fraco, mas mostra-se sempre bem forte, mesmo que isto custe úlceras.
Mas, lamentavelmente, cresce a olhos vistos a ascenção de autoridades que exercem o papel que lhes seria reservado somente a líderes. É que no jogo do poder, burocrático, sistemático, corrupto, bajulador, rasteiro e de etapas, consolidam-se pseudo-líderes que enfurecem seus métodos e a todo custo fincam as estacas do autoritarismo para sobreviverem em métodos que prejudicam as relações sociais. Turvam os ambientes, provocam náuseas e cóleras. São constantemente contestados em mundo silêncio, oprimidos que são, os oprimidos não ecoam seus gritos.
Ensinam-nos os verdadeiros líderes que a liderança é humilde sem ser bestial, é calma sem emudecer, é presente sem ser prepotente, é preparada sem subestimar aos outros. Abre-se para aprender, aceitar-se e aceitar os outros num encontro de relações. Muitos outros valores são imprescindíveis para o bom papel do líder. O líder rodeia-se dos que comungam com ele a vocação de servir. O líder é honesto sem ser imperativo, mostra-se sem ser arrogante. É simples sem ser simplório. Amar o outro e a si é uma qualidade indispensável ao verdadeiro líder. Ninguém consegue liderar sem amar.
As repartições públicas e outras instâncias estão cheias de pessoas que se estabelecem como líderes ou foram estabelecidas sem, contudo, construírem-se líderes no trato com o outro, no acolher, no ajudar, no sentir e no amar. O líder nasce e constrói-se líder. Não é uma tarefa de decreto ou de escolha, é natural. Como pode alguém querer liderar sem pelos menos enxergar-se. Impossível. Deve ser muito triste rodeia-se de quem rir sem sentir, de quem aplaude ou comemora apenas o ócio. Quem não olha a si próprio não consegue enxergar os outros. Pensar faz bem, pois o verdadeiro líder pensa, reflete e socializa o que racionalmente percebe.
Tenho analisado este tema com muita tristeza, pois o que há é um paradoxo desde a origem quando se pretende apontar o líder entre os iguais. Não é assim. Vocação para servir, olhar-se igual, sentir a dor do outro, alegrar-se quando os outros também se alegram não é uma tarefa fácil, pois a inveja e o recalque atrapalham. Tenho visto coisas e ouvido que nunca imaginei existir. Discriminação, perseguição, o destrato, assédios morais, desrespeitos e hipocrisia. Coisas que não se coadunam, não combinam com a liderança e predisposição para servir. Têm pessoas tão tolas que são incapazes de mudar suas práticas mesmo quando elas estão lhes empurrando para o abismo. Pensam que os outros não enxergam o óbvio, enganam-se.
O verdadeiro líder não se serve, não acolhe somente os seus preferidos, não faz distinção, divide, agrega, não dissimula, orienta, pois tem verdadeira vocação para o bem, mas o bem-servir. Seus papéis são tão extensos e natos que fazem parte de sua identidade. Ser servidor é ser irmão. Aqueles que não se sentem têm que começar a retrabalhar suas condutas, suas percepções e, principalmente se educarem. Sem esse reconhecimento da sua própria ignorância é impossível tornar-se uma liderança, muito menos servidora.
O líder enxerga perto e longe e medeia, divide e multiplica saberes, não faz suas atribuições que são de outros. O líder sabe que é líder, mas nunca se vangloria disso para tirar proveito ou vangloriar-se de um privilégio que se sabe natural. Outros anunciam seus feitos e exibem suas atribuições como se exibissem um troféu após um campeonato em que o juiz dolosamente ceifou os concorrentes. Existem até o que não sabem ou não querem saber olhar para suas atitudes mesquinhas e ainda assim fazem questão de se mostrarem prepotentes. Nem todos são predispostos para a liderança, mas há os que em não sendo, não podem exercer funções importantes para a sociedade, pois incapazes de interagir com os iguais numa sociedade repleta de diferentes. O líder é amigo, servidor, carismático, refuta máscaras, não fala somente para seu intestino, assume suas fragilidades e faz dela a força da superação. O líder nunca faz acepção de pessoas, mas ama e acolhe no amor!

Nilson de Jesus Ericeira Sousa

A vida também é feita de imagens

A nossa comunicação diária sempre nos remete a imagens. Imagens que projetamos em nossas mentes, imagens que imaginamos, projeções enfim.
O que enxergamos, o que apenas vemos, o que se forma em nossos olhos, o que está ao alcance deles e o que vai além de nossos sentidos forma imagens. O mundo é uma ilha cercado de imagens. O amor que sentimos se expressa em imagens, o mundo que temos e os que imaginamos. Imagino neste instante as imagens que se formam em nossas vidas e a reflexão que este texto nos trás. Ou mesmo no contraponto, imagens nenhumas.
Não falo das flores e nem dos jardins que projetamos no paraíso que supostamente estaremos um dia ou mesmo no inferno que se definem e bocarras dos aquém proporcionamos antipatias, ojerizas e até cóleras. Não me refiro ao doce olhar na presença de quem amamos e nem da saudade projetada em outra pessoa que dista fisicamente de nós. Muito menos ainda do ideal de sociedade que sai de nós e ganham mundos. É bem verdade, que poucos escutam este grito inaudível ao vento. Imagens de injustiças crescentes, barrigas vazias e o ser humano esvaziando-se de si próprio. São imagens... São infinitas e com múltiplas possibilidades: há mundos.
Estamos assentados em imagens e nossos compartimentos. Elas são das cores que nossos olhos nos trazem, vêem, enxergam, omitem. Essas coisas e cores nossas de todos os dias também colorem o céu de nossos sentidos, dão ênfase a nossa casinha, com cerca, um animalzinho pastando e um caminho, com cancelinha para entrada. E ainda os pássaros, as nuvens, o sol a chuva, as estrelinhas. E de onde saem às pedras? Essas, às vezes pomos em matéria ou em tecidos subjetivos, outras nos são obstacularizadas pelo mundo mal.
Objetos nos cercam. Agora mesmo me rodeio deles: mas não são incolores, têm sentidos, têm cores e forma, se adéquam. Não se devem imaginar mundos pequenos com tantos tons, sentidos e imagens. Imaginem de novo nossa rua, quando pequenos, os meninos em vultos surgindo de repente, um a um e os cuidados com os menores que, intrometidos, também fazem parte do pega-pega. Esta cercania e devaneio é imagem projetante, ascendente para dentro de mim. E não sei ser diferente. Muitas mãos me deram este status.
Agora vejo no horizonte de mim imagens de arco-iris de tardezinha quando o sol parece cair cada vez num vácuo de imagens recepcionistas. O céu de mim tão diferente do de estrelas que me confundem no tom cinza do escurecer. Mas chove lá fora e as imagens se chocam com o sol concomitante que esfria palha de uma casinha velha em penumbras.
Não me vejo sem imagem, aliás não me enxergo, pois o mundo é feito de imagens e eu não me alieno. Desvencilho-me dos guetos, da imagem que se projeta no falso líder, impostor. Entendo até as imagens que fazem de mim disso não posso me livrar, em tempo: sou vítima.
Concluo da forma que me começaram, que Deus me fez. Lembrando-me da imagem do riso de felicidade de meus pais, dos meus irmãos mais velhos, do quartinho frio, no aconchego do amor. Lá pelas bandas da primeira metade dos anos sessenta. Daí em diante tantas cenas coloridas ou não, tantos sabores e dissabores, tantas luzes e reflexões de imagens que se renovam...

Nilson de Jesus Ericeira Sousa

Arari se despede de Bogea, um verdadeiro cidadão de Arari.

Com muito pesar que registro o falecimento de Raimundo Francisco Bogea, (nosso Bogea), no dia 03 de julho, terça-feira, em Arari. Bogea que merecidamente foi homenageado por este espaço em pôster especial: “Arari numa simples homenagem a Bogea”. Afirmo e reafirmo que é necessário reconhecer quem faz história em Arari. O falecimento de Bogea deixa em nós a saudade de um homem que sempre esteve solidário às famílias de Arari. Isso é fato. Trata-se de um caminheiro e que agora recebeu a últimas homenagens do povo de nossa Terra e, que, em vida se dedicou à política, ao trabalho e a somar amigos para multiplicar sua solidariedade. Solidariedade de uma pessoa que deixou sua marca em nosso Arari.
Nós vamos nos despedir de você, de seu corpo, passar por alguma ruas em que os seus pés tanto andaram, ajudaram abrir ruas e apontar caminhos, mas o filho bom de Arari, Bogea, jamais sairá da cidade de Arari, está em Moitas e por onde passarmos, pois sua presença é imagem constante na galeria dos que obstinadamente e, de igual forma, contribuíram para que Arari tivesse outros filhos e passassem por outras descendências.
Sinto-me triste pela família de Bogea, seus filhos que são meus amigos, todos com raízes e umbigos de Arari, nosso chão. Mas reconheço da lacuna deixada no espírito de simplicidade e sabedoria oriundas de um ser humano especial o qual digo: é um verdadeiro cidadão de Arari.
O corpo de Bogea foi velado na Câmara de Vereadores de Arari, onde ele sempre exerceu a sua liderança e, mesmo sem mandato, interessava-se pela política e pela vida social de nosso povo. Adeus caminheiro! Receba o adeus do povo que você tão bem se identificou e o ajudou a seguir caminhos e do município que você ajudou a desbravar.

03/07/2012

Sede de amar

O que meus olhos veem.
Meu coração recebe.
Sede amar de teu sentido.
Esse corpo sinuoso.
Risos de aromas, teu ser,
É festa, festar de amor.
Meu amor!
Sede minha,
Sede de amar teu ser.
Sede minha de saciar-te eternamente,
Pois, só sinto sede de ti.
Que é igual água que sacia meu ser.
Essa sede é de meu sangue em ti.
É sede de amar,
Passarinho que voa só a teu encontro.
E recolhe-se ao amor.
Sinto minha saliva na tua,
Teu ser nu meu.
É sede de amar,
Revolto em tua ausência.
Que me faz sombrio, vacilante.
Aflito, me reencontro em ti,
Que é fonte.Só me encontro em ti.
Que revigora alma,
Alimenta meu ser,
Estanca sede de amar,
Emudece, é amor.
Sede minha e nesta poesia,
que é vida, fonte de amar.
Sede, sede minha.
Nilson Ericeira
Robrielli

ARARI: QUE POEMA MAIS LINDO! EU SEI FOI DEUS QUEM FEZ!

ARARI EM IMAGENS DO RIO MEARIM AO ENTARDECER...

Arari cintilante

Meu coração cintilante
Meu amor abrasador
Meus passos rumo a ti
Minha cidade
Meu Arari
Meus irmãos
Meu nome e sobrenomes
Meus apelidos
Meu tudo
Meu céu, céu de mim
Meu Sol, sol de minha vida

Meu açúcar, meu néctar e vida
Meu pássaro matreiro, meu bando, arrebol
Minha nota, minha música, meu hino, harmonia
Meu ser...
Meu Arari.

Nilson Ericeira
Robrielli

02/07/2012

ARARI E OS BLOGS MAIS ACESSADOS

Tomei conhecimentom de que por meio de uma pesquisa, de que o nosso blog (JORNALISTA NILSON ERICEIRA) é um dos mais acessados em Arari. Acho que ninguém pode imaginar o tamanho da felicidade que senti. Também por que o transmissor da informação é o idealizador do segundo mais acessado na nossa Arari, falo do blog Sociedade em Foco, que pertence ao inteligente e sensível Ezequiel. E segue De Olho, do já consagrado Ailton Barros e do blog de Zé Maria que nos proporciona, por meio de seu texto diferenciado, o julgo da sua saudade e amor por Arari.

Igualmente orgulhoso me sinto, pois, após acessar, como de rotina, o blog campeão em Arari, "De Olho", de cara dou com o texto indicando nosso blog em um de seus favoritos. Maravilha!

Opinião – O trabalho de Comunicação realizado por algumas pessoas em Arari é digno de aplausos e tem o meu reconhecimento.

Arari numa simples homenagem a Bogea

Bogea observa atentamente o que se passa na vida política de Arari
Arari é de Raimundo Bogea (Bogea) e é de todos nós. Temos naturalmente o dever de valorizar nossos filhos de bem que acumulam experiências, histórias de vida e amor...
Hoje eu homenageio mais uma personalidade ilustre. Falo a respeito e, com muito respeito, de Raimundo Francisco Bogea (Bogea), forma carinhosa como é conhecido esse nosso amigo e bom filho de Arari.
Falo de um dos maiores políticos de Arari, bom pai e amigo do povo arariense. Tenho nas minhas observações constatado o tanto que nosso Bogea, Bogea de Arari, é solidário com nosso povo. Faz-se presente na alegria e compartilha a dor de seus conterrâneos. Isso é Bogea, no jeito simples, meio caboclo e sábio. Sábio porque conhece muito da história e da vida política daquele chão que todos nós amamos. Ele anda nas ruas da mesma forma e com a mesma simplicidade de seus 74 anos de idade.
Já o tenho como uma pessoa que Arari deveria homenagear todos os dias, assim como outros que lá labutam, vivem, laboram...
Bogea sempre trabalhou duro para educar seus filhos e o fez. Antes, porém, dedicou-se à política de Arari e veja quantos mandatos de Vereador Bogea acumulou: foi Vereador na gestão da prefeita Maria Ribeiro; na gestão Raimundo Caiçara (Dico Caiçara); na gestão de Raimundo Prazeres (Raimundo de Mário); na gestão de Benedito de Jesus Abas (Bem Abas); na gestão de Leão Santos Neto (no primeiro mandato de Leão frente ao Executivo arariense). * Bogea foi suplente e depois assumiu o mandato de Vereador na vaga de nosso saudoso doutor João da Silva Lima.

De uma referência minha e de uma amizade de que me orgulho - Tenho o privilégio de ter amizade pelos  filhos de Bogea, mas reservo-me o direito de exaltar um dos que comigo mais interagia, desde os tempos do Colégio Comercial, da Casa dos Estudantes, das baladas, da política. Sempre me reservava respeito e percebia certa admiração dele por mim. Falo de seu filho Orlando Bogea, político que parecia herdar a veia persuasiva de seu velho pai. Mas Deus o levou para fazer parte da sua Glória juntinho Dele. Este também cabe nesta homenagem.