31/05/2012

TERMINOU A GREVE DO TRANSPORTE COLETIVO DE SÃO LUÍS

TUDO CERTO, A GREVE DOS TRABALHADORES DO SISTEMA DO TRANSPORTES COLETIVO DE SÃO LUÍS TERMINOU.
A PARTIR DE “ZERO HORA” DE AMANHÃ, 100% DA FROTA DE ÔNIBUS VOLTA A RODAR.
O TRASNPORTE COLETIVO DE SÃO LUÍS É MUTO RUIM E NÃO ATENDE À NECESSIDADE DA POPULAÇÃO, DESSA FORMA É NECESSÁRIO QUE INTERVENÇÕES SAIAM DO DISCURSO E TOMEM FORMA DE AÇÃO.
OS POLÍTICOS DO MARANHÃO DEIXAM SEMPRE PARA MOSTRAREM DISPOSIÇÃO EM TRABALHAR QUANDO SE APROXIMA ALGUMA ELEIÇÃO. EM SÃO LUÍS NÃO É DIFERENTE. TOMARA QUE 1% DO QUE DIZEM VÃO FAZER, TORNE-SE CONCRETO.
ENQUANTO O METRÔ DE SUPERFÍCIE NÃO SAI DO DISCURSO, SERIA BOM TAPAR MUITOS BURACOS QUE TOMAM CONTA DAS RUAS E AVENIDAS DE SÃO LUÍS. NESSE ASPECTO, SÃO LUÍS JÁ FOI MAIS BEM CUIDADA.

SOS AVENIDA LOURENÇO VIEIRA DA SILVA

UMA AVENIDA MOVIMENTADA, FAZ PARTE DE UMA DAS VIAS AO CONJUNTO CIDADE OPERÁRIA E VÁRIAS OCUPAÇÕES QUE O LADEIAM, A AVENIDA LOURENÇO VIEIRA DA SILVA TEM ENORMES BURACOS, VERDADEIRAS CRATERAS, NO SEU LADO  DIREITO DE QUEM SAI DO CONJUNTO, FATOR QUE OBRIGA OS CONDUTORES DE VEÍCULOS A USAREM APENAS UM LADO DA PISTA DE TRÊS VIAS. RESULTADO: CONGESTIONAMENTO E FREQUENTES BATIDAS, ALÉM DE MUITOS CARROS QUE QUEBRAM, POIS QUEM NÃO CONHECE ACABA ENTRANDO NOS BURACOS PROVOCADOS PELA AÇÃO DE CHUVAS E PELA AUSÊNCIA DE TAMPAS DE ESGOTO.
ALI HÁ OMISSÃO DO PODER PÚBLICO.
MAS ANTES QUE O METRÔ SEJA INSTITUÍDO NUM SISTEMA QUE JÁ PASSA DA HORA, É NECESSÁRIO PAVIMENTAR, FAZER AMANUTENÇÃO DO QUE EXISTE. ENTRE A PROPAGANDA E A REALIDADE HÁ UMA DISTÃNCIA ENORME.

O VIÉS POLÍTICO DA GREVE DOS RODOVIÁRIOS EM SÃO LUÍS


NÃO AFIRMO QUE A GREVE DOS RODOVIÁRIOS EM SÃO LUÍS TENHA VIÉS POLÍTICO ORIUNDO DAS CATEGORIAS ENVOLVIDAS DIRETAMENTE NO LITÍGIO, MAS QUE NÃO FALTA QUEM QUEIRA TIRAR UMA CASQUINHA DE VANTAGENS POLÍTICO-ELEITOREIRAS NESSE IMBRÓGLIO, ISSO TEM.

UM VERDADEIRO TIROTEIO DE PALAVRAS TEM SIDO DESPEJADAS NAS ONDAS E EM LAUDAS E VÍDEOS, MAS UMA SÓ CERTEZA: O PROBLEMA TEM SE ALASTRADO POR MUITOS DIAS. FAZ SEMANAS QUE A POPULAÇÃO QUE PAGA A PASSAGEM DE ÔNIBUS E O SALÁRIO DOS POLÍTICOS SOFRE NA PELE. IMAGINEM QUE O TRANSPORTE COLETIVO DE SÃO LUÍS, EXTENDENSO-SE A TODA GRANDE ILHA, É PRECÁRIO QUANDO DIZEM TER 100%, IMAGINEMOS MAIS AINDA AGORA COM O ABAIXO DA METADE DESSE PERCENTUAL.

ESPERA-SE COM URGÊNCIA, NÃO A EXTINÇÃO IMEDIATA DESSE CAOS QUE É O TRANSPORTE COLETIVO, (POIS SE TRATA DE UM SISTEMA) ISSO É IMPOSSÍVEL, EM POUCOS MESES QUE AINDA RESTAM A ATUAL ADMINISTRAÇÃO DE SÃO LUÍS, MAS A RESOLUÇÃO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS SEJAM RESOLVIDOS O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL PARA QUE A POPULAÇÃO DE SÃO LUÍS PELO MENOS TENHA O SEU DIREITO CONSTITUICIONAL ASSEGURADO: IR E VIR.

AS REIVIDICAÇÕES DOS TRABAHADORES RODOVIÁRIOS É MAIS QUE JUSTA POIS OS MESMOS DESENVOLVEM UMA ATIVIDADE DE VITAL IMPORTÃNCIA PARA A CIDADE, PORÉM A POPULAÇÃO NÃO PODE PAGAR MAIS DO QUE JÁ PAGA A UM SISTEMA DEFICIENTE, DE MULETAS EM QUE SE ENCONTRA NESTA CIDADE. QUEM USA ÔNIBUS SABE DOS TRANSTORNOS QUE PASSA. TODOS OS PONTOS E TERMINAIS SÃO SUPERLOTADOS, OS ÔNIBUS ALÉM DE SEREM PRECÁRIOS ANDAM COM EXCESSO DE PASSAGEIROS.

HÁ MUITO TEMPO VENHO DENUNCIANDO A PRECARIEDADE DA FROTA DE ÔNIBUS QUE SERVE SÃO LUÍS. UM DIA DESSES TIREI UMA FOTOGRAFIA DE UM PAINEL EM QUE SE ENXERGAVA AS VÍCERAS DO MOTOR.

ANTES QUE SEJA TARDE É BOM QUE SE DIGA, EXPERIMENTE UMA AUTORIDADE MANDAR ALGUMA PESSOA IDOSA (QUE SIRVA DE PREPOSTO) TOMAR ÔNIBUS DE UMA PARADA, NO MONTE CASTELO, EM FRENTE AO PRÉDIO DETERIORADO DO ANTIGO HORTOMERCADO. POIS EU JÁ LHES DOU A RESPOSTA ELES PARAM NUM TOTAL DESRESPEITO AO IDOSO.



30/05/2012

A EXTRELA BRILHA NO FIRMAMENTO, MAS ÀS VEZES INCOMODA...

NÃO É VERDADE QUE O VICE-GOVERNADOR WASHINGTON OLIVEIRA VÁ RENUNCIAR A SUA PRÉ-CANDIDATURA À PREFEITO DE SÃO LUÍS, CONFORME ESPECULARAM ALGUMAS MÍDIAS.

O PT NÃO FOGE DA LUTA. WASHINGTON É PRESTIGIADO PELO PT NACIONAL, POR BOA PARTE DO PT ESTADUAL, TEM O APOIO DO EX-PRESIDENTE LULA E DA PRESIDENTE DILMA ROUSSEFF E É O VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DO MARANHÃO, SEGUNDO CARGO NO ESCALÃO DO EXECUTIVO ESTADUAL. 

ACOMPANHO O RACIOCÍNIO DOS QUE PRETENDEM DESESTABILIZAR A SUA PRÉ-CANDIDATURA. MAS NÃO VINGOU A TENTATIVA. NÃO PASSA DE ESPECULAÇÕES, APENAS.

QUEM TEM MEDO DE WASHINGTON? POR QUE TENTAM DESESTABILIZÁ-LO? TALVEZ PELA SUA LIDERANÇA E POR SER UMA AUTORIDADE QUE TRATA AS PESSOAS COM MUITA SIMPLICIDADE. NEM TODOS SE ACOSTUMAM QUANDO UM REPRESENTQNTE DO POVO ABRE AS PORTAS DO SEU GABINETE PARA RECEBER LIDERANÇAS DO ESTADO INTEIRO.

ALGUNS “ANALISTAS” SE ESQUECEM QUE QUEM ELEGE É O POVO; QUE POUCOS SÃO OS CANDIDATOS QUE TÊM DE FATO PROPOSIÇÕES VIÁVEIS PARA SÃO LUÍS; QUE OS TRADICIONAIS TÊM SE LIMITADO EM TRATAR DO TRIVIAL, TIPO OPERAÇÃO TAPA-BURACO; E IGNORAM PROBLEMAS GRAVES COMO O DESEMPREGO, A HABITAÇÃO E A MORADIA, A SAÚDE, A FORMAÇÃO INTEGRAL, O ESPORTE ENQUANTO POLÍTICA DE FORMAÇÃO, O ENTRETENIMENTO, POLÍTICAS PARA A MAIOR IDADE E ASSITÊNCIA AO MENOR E AO IDOSO. SÃO TANTAS COISAS QUE PODEM SER FEITAS E QUE NEM ESPECULADAS SÃO. 

ESTOU ANSIOSO PARA NA HORA CERTA SEJA TRAVADO UM DEBATE DE CONHECIMENTO CONTEXTUALIZADO SOBRE SÃO LUÍS, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. QUEM SABE ALGUNS PRÉ-CANDIDATOS, INCLUINDO O PREFEITO E EXPRE-FEITOS COLOQUEM O POVO NAS SUAS PAUTAS.

VOLTANDO AO ASSUNTO PRINCIPAL QUE É A FALSA NOTÍCIA DA SUPOSTA RENÚNCIA DE WASHINGTON OLIVEIRA À PRE-CANDIDATURA A PREFEITURA DE SÃO LUÍS, COM CERTEZA SE ISTO FOSSE VERDADE, ELE PRÓPRIO VIRIA A PÚBLICO COMUNICAR, DA MESMA FORMA QUE TEM SIDO TRANSPARENTE TODOS OS PASSOS JÁ SEGUIDOS DE SUA PRÉ-CANDIDATURA.

AS PESSOAS TÊM O DIREITO DE TER SUAS REFERÊNCIAS, MAS INVENTAR FATOS. ISSO NÃO TEM.

SOLIDARIEDADE

SOU SOLIDÁRIO AO JORNALISTA HENRIQUE BOIS. TRATAR-SE DE UMA PESSOA ÉTICA, HONESTA E COMPETENTE. BOIS FAZ PARTE DE UMA PLÊIADE DE BONS JORNALISTAS QUE TEM O MARANHÃO.

TORNEI-ME UM ADMIRADOR DE SEU TEXTO QUANDO DA PASSAGEM DELE PELA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA SEDUC. ALÉM DISSO BOIS É UM BOM COMPANHEIRO DE TRABALHO.

COM CERTEZA O JORNAL O IMPARCIAL PERDE E PERDE OS LEITORES DESSE JORNAL. PORÉM, DEVEM GANHAR OUTROS VEÍCULOS QUE COM CERTEZA BOIS DISPORÁ O SEU TEXTO, TANTO OPINATIVO QUANTO INVESTIGATIVO, POIS SE TRATA DE UM CRAQUE.

A SOCIEDADE ENTÃO SERÁ RECOMPENSADA E RETROALIMENTADA COM SUPRASUMO DO JORNALISMO.

EDUCAÇÃO

Relação entre pais e escola pode afetar desempenho de alunos


Da Agência USP de Notícias

As dificuldades na aprendizagem de ler e escrever de crianças podem ser originadas por diversas razões, como por exemplo na relação entre pais dos estudantes e a escola. Na FE (Faculdade de Educação) da USP (Universidade de São Paulo), uma pesquisa analisou a relação entre os pais e a escola de alunos com problemas no letramento e percebeu a necessidade de haver um profissional nas unidades de ensino que trabalhe as relações entre os estudantes, a escola e os familiares.

Para a psicanalista Mariana de Campos Pereira Giorgion, que realizou o estudo, existe, no universo do ensino público um imaginário de que os pais não têm condições de apoiar a educação escolar dos filhos. Esta impressão faz com que se crie uma dinâmica entre familiares e a instituição de ensino que não é saudável para a aprendizagem.

A pesquisa estudou o campo relacional de pais de três alunos que apresentaram dificuldades de letramento numa escola estadual na cidade de São Paulo. O acompanhamento das crianças foi feito pelo Grupo de Oralidade e Escrita da FE, entre 2008 e 2010. “A coordenação da escola vê os pais como ausentes e distantes no aprendizado dos filhos”, afirma a pesquisadora. Do outro lado, os familiares também sentem dificuldades de se aproximar do contexto escolar. Entretanto, o fato de a escola não conhecer o histórico escolar ou familiar dos alunos pode prejudicar o letramento. O estudo O contexto do não texto: campos relacionais de pais e escola é a dissertação de mestrado de Mariana e foi orientado pelo professor Claudemir Belintane.

A baixa frequência dos alunos em aulas é um dos principais causadores das dificuldades na aprendizagem de ler e escrever. Como as crianças analisadas têm entre seis e sete anos, a decisão de não ir à aula não é apenas delas: esse problema está intimamente ligado à relação com os pais. É possível, assim, notar um ciclo problemático em que a relação entre os pais e os filhos afeta o desempenho escolar. “A instituição de ensino, por sua vez, não investiga essa relação por conta de uma visão estereotipada que tem dos familiares de seus estudantes”, afirma a psicanalista.

Entrevistas

As histórias familiares das três crianças analisadas no estudo são muito diferentes entre si, o que demonstra que os problemas escolares não vêm de um fator comum. As escolas acreditam que os pais não se preocupam com o aprendizado dos filhos, mas isso não é o que foi verificado na pesquisa. As crianças reproduziram sintomas das relações familiares no âmbito escolar, e isso se apresentou como deficiências no letramento.

Uma das mães entrevistadas contou que a filha sempre foi muito dispersa, chegando a ser alheia a quase tudo que estava a sua volta. Na escola acontecia a mesma coisa: não prestando atenção e não se empenhando no letramento, a criança demonstrou dificuldades. Essa característica parece ser espelhada no próprio alheamento da mãe à filha, pois ela passava por grandes jornadas de trabalho e tinha outros filhos para cuidar. Esta que apresenta problema é a mais nova e, na verdade, tê-la teria sido um desejo apenas do pai.

O pai do segundo aluno analisado, como conta a mãe, era um traficante. Assim, o filho foi criado num contexto de criminalidade e violência. A mãe procurou colocá-lo nesta escola para tirá-lo daquela realidade, mas o filho reproduziu o contexto violento de sua vida nos estudos, se tornando uma criança que causava muitos problemas na instituição. As queixas de dificuldade de letramento apresentadas pela escola, dessa maneira, vinham como um grande empecilho na visão daquela mãe. “Ela sentia que estavam querendo tirar a ótima oportunidade de vida que o filho estava tendo”, conta Mariana sobre o relato.

A família do último aluno mostra um problema completamente contrário a ausência relatada pela coordenação da escola. Os pais do aluno, tão preocupados com a sua aprendizagem, colocam uma pressão enorme no filho. Quando este apresenta dificuldades, a decepção dos pais e a vontade de que ele melhore é tão grande que chegam a castiga-lo pelos erros. O resultado é o abafamento da capacidade criativa da criança, causando cada vez mais problemas no letramento.

http://educacao.uol.com.br



FAZ 37 DIAS QUE ASSASSINARAM O JORNALISTA DÉCIO SÁ.

DA FORMA QUE HAVIA DITO ANTERIORMENTE, POSTARIA ESTA FRASE, A DO TÍTULO, CONSTANTEMENTE, PARA QUE AS AUTORIDADES NÃO DEIXASSEM CAIR NO ESQUECIMENTO  E QUE O DESEJO DE TODOS OS JUSTOS FOSSE SATISFEITO: O DE JUSTIÇA.
DADO AO MEDO QUE SE INSTALOU NO MARANHÃO PELA VIOLÊNCIA IMPOSTA, TAMBÉM POR VÁRIOS APELOS DE MEUS FAMILIARES E AMIGOS  NO SENTIDO DE NÃO POSTAR A FRASE TODOS OS DIAS,  E PORQUE TAMBÉM JÁ FUI PERSGUIDO, NÃO ESTOU DIZENDO PARA ISTO PARA ME PARECER IMPORANTE, NÃO MAIS POSTAREI A FRASE TODOS OS DIAS, MAS SEMPRE ESTAREI, DE ALGUMA FORMA LEMBRANDO QUE O CRIME ACONTECEU E QUE PRECISA SER ELUCIDADO, PARA O BEM DE TODAS AS INSTITUIÇÕES.

EDUCAÇÃO


Estudantes do Rio recebem gibis que explicam atribuições do MP

Os personagens da Turma da Mônica ajudarão estudantes do Rio de Janeiro a entender o papel e as atribuições do Ministério Público. Meninos e meninas de 9 a 15 anos são o alvo da iniciativa - uma parceria entre o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e a Secretária Estadual de Educação - que pretende distribuir 1 milhão de gibis nas escolas estaduais e particulares.

O lançamento da iniciativa ocorreu na manhã desta terça-feira no Colégio Estadual Amaro Cavalcanti, no Largo do Machado, zona sul da capital fluminense, com uma aula inaugural ministrada pelo procurador-geral de Justiça, Cláudio Lopes. As histórias da revista mostram aos alunos que o Ministério Público é um defensor dos interesses sociais e coletivos. O gibi destaca questões referentes ao meio ambiente e à defesa do consumidor, além de explicar como o cidadão pode fazer denúncias ao Ministério Público.

Para Cláudio Lopes, mostrar para crianças e adolescentes, por meio de quadrinhos, o papel exercido pelo Ministério Público cria a possibilidade de que esse conhecimento seja replicado a outras pessoas. "A ideia que se tem é que cada exemplar possa se multiplicar por três ou quatro. A mãe e o pai, independentemente do grau de escolaridade, ou qualquer pessoa com uma linguagem mais simples vai poder ler e conhecer a atuação do Ministério Público", explicou.

O aluno do 3º ano do ensino médio Victor Rodrigues elogiou a iniciativa e a linguagem lúdica do gibi. "Eu gostei da ideia de usarem os quadrinhos, é uma coisa que os jovens vão gostar e apoiar", disse.

Agência Brasil



29/05/2012

EDUCAÇÃO

Expansão dos cursos de gestão pública revela interesse dos profissionais em qualificar serviços prestados à população


Por Meire Cavalcante

Vivemos em uma república, palavra que tem sua origem no latim res publica, que significa "coisa pública". Nessa modalidade de governo, os eleitores depositam sua confiança nos gestores públicos, que têm a tarefa de conduzir o trabalho de forma que essa confiança reverta em serviços cada vez melhores, como saúde, educação, moradia, transporte... Mas a imagem que a sociedade tem, no geral, em relação aos serviços e aos gestores públicos é negativa, na medida em que pipocam denúncias de enriquecimento ilícito e, por outro lado, parte da população padece com serviços de baixa qualidade, morosidade nos atendimentos e pouca transparência em relação à arrecadação e ao uso do dinheiro público.
Mas o que significa gerir esses recursos? Que responsabilidades o profissional que atua nessa área tem? Quais os fundamentos éticos de sua prática? Que conhecimentos não podem faltar para que tenha sucesso? Essas são perguntas que cada vez mais circulam entre aqueles que, de alguma forma, atuam junto ao poder público nas esferas municipal, estadual e federal. A formação adequada de gestores e de funcionários é um importante caminho em direção à melhora dos serviços públicos. "Para consolidar uma máquina pública profissional, precisamos construí-la com critérios técnicos. A formação dessa mão de obra é o que pode combater a desorganização sistêmica que se percebe no geral", diz o advogado Fábio Medina Osório, doutor em direito administrativo e presidente do Instituto Internacional de Estudos de Direito do Estado (IIEDE).
Ele ressalta, ainda, que é preciso saber trabalhar com diferentes contextos - de inchaço ou escassez de recursos humanos, por exemplo -, orçamento apertado, tecnologia oferecida (ou inexistente, em alguns casos) e falta de cultura do preparo. Ter formação em gestão pública pode ajudar o gestor a avaliar as possibilidades de sua realidade e pensar em saídas. O preparo também pode evitar erros que, muitas vezes, são cometidos não por má-fé, mas por desconhecimento e que podem trazer prejuízos não só à coisa pública, mas ao próprio gestor.
"Além disso, um ambiente mais organizado e profissionalizado traz maior transparência e produz um espaço menos propenso à corrupção. Diminui os vícios de fraudes, gera um ambiente saudável e cria o compromisso com resultados", diz.
Estudar é preciso
É nesse cenário que vem crescendo o número de cursos de gestão pública, seja na graduação ou na pós-graduação (lato e stricto sensu).

Leias mais:
http://revistaescolapublica.uol.com.br/



EDUCAÇÃO


Responsabilidade coletiva

Por Emílio Figueira

Quando falamos em escola inclusiva, para que ela ocorra com sucesso é fundamental não jogarmos essa responsabilidade nas costas dos professores. Todas as demais pessoas – diretores, inspetores, atendentes, o pessoal da cantina, da limpeza, da manutenção, os demais alunos, as famílias e a comunidade em geral – precisam estar envolvidas no mesmo objetivo. Além disso, é essencial que professores com alunos em processo de inclusão possam receber, se necessário, apoio da escola, como a presença de auxiliares na sala de aula.

Outro aspecto relevante é que os educadores sejam treinados constantemente. Nesse sentido, a escola poderá receber, de tempos em tempos, a visita de professores itinerantes e/ou outros especialistas no assunto relacionado à inclusão, para avaliar como anda o processo, passar instruções, tirar dúvidas e dar treinamentos aos docentes. Enfim, o que quero dizer com tudo isso, é que o professor dentro de uma sala de aula inclusiva é o personagem direto da inclusão escolar, mas, por trás dele, deverá estar todo um arsenal de apoio material e humano. O trabalho em equipe entre os profissionais de uma escola pode contribuir muito para uma convivência harmoniosa entre os profissionais da escola, o aluno especial e seus colegas de classe, uma convivência construída coletivamente e que certamente irá refletir na relação educador/educando e no processo de ensino e de aprendizagem.

Nesse contexto, as relações entre professores e educandos devem adquirir uma dimensão de transparência e respeito, criando-se uma escola realmente plural. Essa convivência abre a oportunidade para a escola trabalhar essas questões como um tema transversal, pois ela é local de diálogo, de aprender a conviver, vivendo a própria cultura e respeitando as diferentes formas de expressão cultural.

O grande desafio da escola será investir na superação da discriminação e tornar conhecida a riqueza representada pela diversidade etnocultural que compõe o patrimônio sociocultural brasileiro, valorizando a trajetória particular dos grupos que compõem a sociedade. No geral, pensar em inclusão escolar é levar em conta as palavras da pedagoga Maria Teresa Eglér Mantoan: “É a nossa capacidade de entender e reconhecer o outro e, assim, ter o privilégio de conviver e compartilhar com pessoas diferentes de nós. O grande ganho, para todos, é viver a experiência da diferença. Se os estudantes não passam por isso na infância, mais tarde terão muita dificuldade de vencer os preconceitos”.

http://www.profissaomestre.com.br

Artigo publicado na edição de março de 2012 da revista Profissão Mestre




Faz 36 dias que assassinaram o jornalista Décio Sá.

28/05/2012

COMEÇAM AS INSCRIÇÕES DO ENEM - 2012

Os candidatos a vagas na educação superior pública têm prazo até as 23h59 de 15 de junho próximo para fazer a inscrição na edição de 2012 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Feita apenas pela internet, a inscrição será confirmada após o pagamento da taxa, de R$ 35, até 20 de junho, por meio de guia de recolhimento da União (GRU) simples.

Aluno de escola pública que esteja concluindo o ensino médio e se declarar integrante de família de baixa renda está liberado do pagamento. O pedido de isenção deve ser feito no momento da inscrição, também pela internet.
As provas serão aplicadas em 3 e 4 de novembro, em todas as unidades da Federação, a partir das 13 horas (de Brasília). No primeiro dia, sábado, serão realizadas as provas de ciências humanas e suas tecnologias e ciências da natureza e suas tecnologias, com duração de quatro horas e meia. No domingo, os estudantes terão cinco horas e meia para fazer as de matemática e suas tecnologias; linguagens, códigos e suas tecnologias e a redação.
A divulgação do gabarito oficial, como estabelece o edital, está prevista para 7 de novembro. O resultado final do exame estará disponível para os estudantes a partir de 28 de dezembro.
Na página do Enem na internet o candidato pode fazer a inscrição e seguir, passo a passo, todo o procedimento e o calendário relativos ao exame.
Portal-MEC

BIA AROSO DESISTE DE SUA PRÉ-CANDIDATURA E ATRIBUI GRANDE LIDERANÇA A SARNEY FILHO.

HOJE PELA MANHÃ, A PREFEITA DE PAÇO DO LUMIAR, BIA AROSO, CONVOCOU A IMPRENSA PARA COMUNICAR A SUA DESISTÊNCIA DA PRÉ-CANDIDATURA DE SUA REELEIÇÃO NO REFERIDO MUNICÍPIO.

BIA DISSE QUE AGORA VAI TRABALHAR COM TODA TRANQUILIDADE PARA CONCLUIR MUITAS OBRAS, ALÉM DISSO, ELA DECLAROU QUE O DEPUTADO SARNEY FILHO É O SEU PROTETOR, A QUEM ATRIBUIU GRANDE LIDERANÇA. A PREFEITA BIA TAMBÉM DECLAROU QUE O SEU GRUPO TERÁ CANDIDATO À PREFEITURA DE PAÇO DO LUMIAR.

EM RELAÇÃO AOS VEREADORES, FOI INDIRETA, MAS ALERTOU QUE TUDO TEM LIMITES E QUE O ROMPIMENTO FOI APENAS COM O PRESIDENTE DA CÂMARA DE VEREDORES, ALDEIRICO CAMPOS.

BIA REFERIU-SE AO DEPUTADO SARNEY FILHO COMO GRANDE LIDERANÇA E DEIXA CLARO QUE É ELE QUE VAI DAR A CARTADA FINAL, EM SEU GRUPO POLÍTICO, QUANTO A ESCOLHA DO PRÉ-CANDIDATO.

EM RELAÇÃO AO DEPUTADO DOMINGOS DUTRA, ELA NÃO POPOU CRÍTCAS E SUGERIU PARA PERGUNTAREM PARA ONDE O DEPUTADO ESTAVA DESTINANDO ÀS SUAS EMENDAS. E EMENDOU, ELE E A SUA ESPOSA NÚBIA DUTRA ESTÃO COLHENDO ASSINATURA PARA {UMA TAL AÇÃO POPULAR}, NUM ABAIXO-ASSINADO, EM QUE MUITAS PESSOAS NÃO SABEM NEM O QUE ESTÃO ASSINANDO.

AS INFORMAÇÕES FORAM ABSTRAÍDAS DE ENTREVISTA COLETIVA CONCEDIDA PELA PREFEITA BIA AROSO.

HOJE FAZ 35 DIAS QUE O JORNALISTA DÉCIO SÁ FOI ASSASSINADO.

27/05/2012

LEIA NA ÍNTERGRA ESTE ARTIGO: Somos iguais? Publicado na edição do Jornal Pequeno do dia 27.05.2012

Somos iguais?


Por: Nilson de Jesus Ericeira Sousa Data de Publicação: 27 de maio de 2012 às 11:54

Embora devêssemos ser iguais, perante a lei, mas somos mesmos diferentes em muitos sentidos. Também se ressalva a esta certeza, a relação de igualdade de direitos e obrigações, de que assimilamos do texto magno, diferenças acentuadas ao longo da história que tem nos causado lacunas.

Todos sentimos que a nossa igualdade não é conhecida sabiamente e, ao mesmo tempo, imperfeita e em construção, pois o no art. 5º, caput/CF/88, outros artigos, posto mais à frente, reclamam por tal preenchimento, tanto é que há a recorrência da quotas, não somente em razão da desigualdade históricas, mas pela crescente necessidade de reparação. É um paradoxo! Pois o Estado “obriga-se” a instituir o sistema de quotas, declinando-se a aceitar a desigualdade cuja igualdade mascara.

Leia mais neste blog e no Jornal Pequeno de 27 de maio de 2012.

HOJE FAZ 34 DIAS QUE O JORNALISTA DÉCIO SÁ FOI ASSASSINADO.

26/05/2012

Só-solidão

Por que você me desprezou...

Deixou-me

Deixou sangrar meu coração

Hoje sou um corpo sem você

Estou sofrendo sem você.

Nilson Ericeira

Robrielli

ARARI E O EMBRIÃO DA ACADEMIA DOS EXCLUÍDOS

TENHO DESEJO DE FUNDAR EM ARARI A ACADEMIA ARARIENSE DOS EXCLUÍDOS. POIS SEI QUE EM ARARI EXISTEM MUITAS PESSOAS EXCLUÍDAS DAS DISCURSÕES INTELECTUAIS, NÃO POR QUE NÃO TENHAM CONDIÇÕES INTELECTUAIS, MAS PELA SELETIVIDADE ELITISTA QUE SEMPRE OCORREU E OCORRE EM NOSSA CIDADE.

MAS NÃO É SÓ ISSO, É QUE, GERALMENTE, AS PESSOAS QUE SÃO ALÇADAS A ALGUM POSTO, MESMO QUE NEM SAIBAM SILABAR LETRAS OU JUNTAR PALAVRAS, POSSUEM CADEIRAS NO ROL DOS GRANDÍOLOS. HÁ ATÉ OS QUE PENSAM SER MAIS QUE DEUS E DEIXAM TRASPARECER NAS SUAS VERBARROGIAS E INSIPIÊNCIAS.

A INTENÇÃO DE CRIAR ESSA ACADEMIA É COM OBJETIVO DE OPORTUNIZAR A PESSOAS TALENTOSAS DE NOSSA TERRA, EM DIVERSAS ÁREAS DO CONHECIMENTO, PARA QUE FAÇAM PARTE DE UM CENTRO DE EXCELÊNCIA, MESMO QUE NÃO TENHAM PROCEDÊNCIA DE DETERMINADAS FAMÍLIAS, OU MESMO FAÇA PARTE A ALGUM GRUPO POLÍTICO OU ROL DE AMIGOS.

ARARI É UM GRANDE CELEIRO DE PRODUÇÃO INTELECTUAL E NÃO É FORMADA SÓ DE PESSOAS QUE DUVIDAM DA EXISTÊNCIA DE DEUS (ALIÁS, ESSA É UMA MINORIA QUE NÃO PASSA DA DÉCIMA UNIDADE). ESTAS NÃO TÊM VAGA NA ACADEMIA DOS EXCLUÍDOS, EMBORA PÁRIAS POR OPÇÃO.

SE EU FOSSE SUGERIR UM LIVRO PARA ALGUÉM LER, SE É QUE ALGUÉM JÁ ESCREVEU SOBRE ESSE TEMA, SUGERERIA: OLHANDO PARA O MEU PRÓPRIO PASSADO, OU TALVEZ, ENXERGAR-SE A SI PRÓPRIO OU OLHANDO PARA MEU PRRÓPRIO UMBIGO. QUEM PROCURA ACHA! AH, ANTES DE MAIS UM RÓTULO OU PRÉ-JULGAMENTO, NÃO DESEJO FAZER PARTES DAS ELITES.

HOJE FAZ 33 DIAS QUE O JORNALISTA DÉCIO SÁ FOI ASSASSINADO.

25/05/2012

A FROTA DE ÔNIBUS VOLTA CIRCULAR COM APENAS 50%.

A GREVE CONTINUA, EMBORA, A PARTIR DE AMANHÃ, A FROTA DE ÔNIBUS VOLTA CIRCULAR COM APENAS 50%.

TUDO INDICA QUE CAMINHAM PARA UM ACORDO PATRÕES EMPREGADOS DO SISTEMA DE TRANSPORTES COLETIVOS DE SÃO LUÍS.

TÊM-SE INFORMAÇÕES DE QUE ALGUNS TRABALHADORES NÃO QUEREM VOLTAR AO TRABALHO. EM ESTADO DE GREVE, TRABALHADORES, PATRÕES, JUSTIÇA E MINISTÉRIO PÚBLICO TENTARÃO CHEGAR A UMA SAÍDA QUE SEJA SATISFATÓRIA PARA OS TRABALHADORES E PARRA A SOCIEDADE.

NÃO TENHO LEMBRANÇAS, NA HISTÓRIA RECENTE DE SÃO LUÍS, QUE UMA GREVE NOS TRANSPORTES COLETIVOS TENHA DEMORADO TANTO TEMPO.

AS REIVINDICAÇÕES SÃO JUSTAS E ESSE TIPO DE SERVIÇO É ESSENCIAL PARA A POPULAÇÃO.

Quase tudo pronto para a Temporada Junina na Praça Maria Aragão


Já está quase tudo pronto para o início da maior Temporada Junina do país. O arraial oficial da Prefeitura de São Luís realizado na Praça Maria Aragão começou a ser estruturado e o prazo de conclusão da montagem está prevista para meados da próxima semana.
A solenidade de abertura está agendada para o dia 1º de junho, às 18 horas, e, até 1º de julho, as principais manifestações folclóricas do Estado apresentarão um verdadeiro espetáculo de ritmos, cores, sotaques e sabores, que contagia batalhões de admiradores e seguidores.
Este ano, programação contemplará cerca de 300 atrações, entre grupos de bumba-meu-boi, cacuriás, quadrilhas, danças portuguesas, danças do boiadeiro, danças do coco, tambores de crioula e shows com artistas maranhenses. Aos sábados e domingos da temporada, no horário das 18h às 20h, a programação atenderá, inclusive o público infantil, com apresentações específicas para essa faixa etária.
Sempre as terças-feiras, o Arraial receberá um festival de danças, com a apresentação de cerca de vinte grupos de cada manifestação: quadrilha, dança portuguesa, cacuriá e dança do boiadeiro. E, aos sábados, domingos e vésperas de feriado, estará acontecendo também o tradicional Barracão do Forró, com os melhores grupos de forró pé-de-serra da cidade.
Estrutura - No centro do arraial, um tablado com as dimensões 20 x 30 cm e 1,20 cm de altura, permitirá que as apresentações folclóricas sejam vistas de qualquer ponto da praça. O palco principal (concha acústica da praça) receberá uma megaestrutura de som e iluminação, para abrilhantar ainda mais os shows artísticos.
Em todo o entorno do terreiro de apresentações, 29 barracas comercializarão artesanato, comidas e bebidas típicas, como arroz de cuxá, canjicas e mingau de milho. Há ainda um espaço reservado para os turistas, coordenado pela secretaria municipal de turismo, onde os visitantes receberão todas as informações sobre nossa cidade e nossa cultura; e, outro reservado para os portadores de necessidades especiais, proporcionando conforto e visibilidade privilegiada das atrações.

Parcerias –a Func age em parceira com outros organismos públicos e privados para que o público visitante se divirta em segurança com toda a família. São eles: Secretaria Municipal de Turismo (Setur), Secretaria Municipal de Comunicação (Secom), Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (Smtt), Secretaria Municipal de Segurança com Cidadania (Semusc), por meio da Guarda Municipal, Blitz Urbana, Polícia Militar do Maranhão, Corpo de Bombeiros, 1ª Vara da Infância e Juventude, Delegacia de Costumes, Cemar, Cité luz, Secretaria Municipal de Saúde (Semus), por meio do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp), Limpel, Instituto Municipal de Paisagem Urbana (Impur), Secretaria de Segurança Alimentar (Semsa), Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmam) e Secretaria Municipal de Habitação e Urbanismo (Semhur).

Arari deixa-me correr no meio de ti e desse Rio

Oh minha Arari, cidade do meu coração. Cidade dos bentivis, pipiras, japis e sabiás. Arari, meu arrebol. Vejo que te já te cansas desse desamor intrometido em ti, mas não permitas discursos ocos e nem deixe que em teu solo os homens bons se diluam.
Deixa-me correr no meio de ti e desse Rio de igual forma é o sangue de tua gente. Faz-me gigante para te depositar em mim em cada suspiro meu, mas me torna pequeno de novo, pois quero correr em tuas ruas, lambuzar-me no teu esmeril, pois sei que o transpirar dessa lama ainda carrego comigo.
Ah minha cidade, como é bom a lembrança dos teus filhos que se sentem orgulhosos desse leito. Que felicidade é ser parido de ti, sair de tuas entranhas, brejos entre aningas e aririzais. Pois sair de ti e és em mim meu oceano de amor.
Arari, voltar a ti é redundância, pois existe em nós a chama das diferenças que se encontram no amor. Voltar a ti é nos encontrarmos pai, mãe e família. És minha cidade e minha comunhão de encontros, pois os caminhos que ando, só me levam a ti.
Arari que não sai de mim, nem mesmo em sono profundo e nem quando em matéria inerte, restar-me matéria emudecida, pois minha alma é tua.

HOJE FAZ 32 DIAS QUE O JORNALISTA DÉCIO SÁ FOI ASSASSINADO.

HOJE FAZ 32 DIAS QUE O JORNALISTA DÉCIO SÁ FOI ASSASSINADO


24/05/2012

COMEÇAM SEGUNDA-FEIRA AS INSCRIÇÕES DO ENEM 2012

O MEC (Ministério da Educação) anunciou oficialmente nesta quinta-feira (24) as mudanças e as datas de inscrição do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2012. A prova acontece nos dias 3 e 4 de novembro e as inscrições começam na próxima segunda-feira (28), a partir das 10h. Os candidatos terão até as 23h59 do dia 15 de junho para se inscrever. A taxa é de R$ 35. Alunos de escolas públicas são isentos.

As mudanças nesta edição dizem respeito, principalmente, à correção da redação: a nota mínima que autoriza uma nova avaliação do texto foi reduzida e se criou a figura da banca de avaliadores. Além disso, será possível ver a redação corrigida, porém, sem possibilidade de recurso por parte do estudante. O ministério também anunciou que vai divulgar, em julho, o "Guia do Participante", com exemplos de redação "de excelência" e explicações sobre a metodologia da correção.

HOJE FAZ 31 DIAS QUE O JORNALISTA DÉCIO SÁ FOI ASSASSINADO.

 

23/05/2012

Hoje já faz 30 dias que o jornalista Décio Sá foi assassinado.



Não, não temos mais liberdade. Não sabemos o que fazer, o homem está se privando de sua liberdade, as palavras não saem, os comunicadores não se expressam. Há um soluço incontido e um sentimento de impunidade mais avassalador ainda. A natureza é, literalmente, privada do homem... Nunca houve época mais perturbadora da ordem, o que possibilita o horror da ordem: uma desordem. A morte e o assassinato não é justiça. Não se faz justiça matando pessoas. Há um silêncio sepulcral. Os homens diminuíram, parecem se agacharem. O valor das instituições precisa ser preservado.

Hoje já faz 30 dias que o jornalista Décio Sá foi assassinado.

Não, não temos mais liberdade. Não sabemos o que fazer, o homem está se privando de sua liberdade, as palavras não saem, os comunicadores não se expressam. Há um soluço incontido e um sentimento de impunidade mais avassalador ainda. A natureza é, literalmente, privada do homem... Nunca houve época mais perturbadora da ordem, o que possibilita o horror da ordem: uma desordem. A morte e o assassinato não é justiça. Não se faz justiça matando pessoas. Há um silêncio sepulcral. Os homens diminuíram, parecem se agacharem. O valor das instituições precisa ser preservado.

EDUCAÇÃO

VEJA 10 TEMAS QUE PODEM CAIR NA REDAÇÃO DO ENEM


Bullying, desigualdade social e meio ambiente são alguns dos temas cotados para cair na redação do próximo Enem, de acordo com levantamento divulgado nesta quarta-feira, 23, pelo portal Universia Brasil. A lista inclui ainda tópicos como desarmamento, participação política e violência no trânsito, entre outros.

A relação foi feita pela professora Cida Custódio, do cursinho Objetivo. Segundo ela, o exame cobra assuntos relacionados ao universo jovem, o que de certo modo facilita a vida do candidato. No ano passado, por exemplo, a prova pediu aos estudantes que escrevessem sobre "Viver em rede no século 21: Os limites entre o público e o privado".

A redação é parte fundamental do Enem, tanto pela característica da proposta quanto pelas polêmicas em torno das notas. A partir deste ano, o Inep, que organiza o exame, promete ser mais criterioso na correção.

Os candidato fazem a redação no segundo dia do exame, junto com mais 45 questões de Linguagens e Códigos e outras 45 de matemática. O texto deve ser dissertativo-argumentativo, ter no mínimo 7 e no máximo 30 linhas e não pode fugir do tema. Diferentemente de outros vestibulares, o candidato precisa escrever uma intervenção à problemática do tema.

Segundo a gerente de conteúdo do Universia, Alexsandra Bentemuller, a lista de temas prováveis visa a estimular o candidato a buscar referências. "É importante que ele leia jornais e revistas, veja filmes, informe-se sobre os assuntos, para que se sinta mais confortável e apto a realizar a atividade."

Alexsandra, no entanto, lembra que o material não garante que o Enem cobrará um dos dez temas apontados pela professora Cida. A dica, então, é ficar ligado às questões da atualidade, no Brasil e no mundo. "Estudar para o Enem ou qualquer outro vestibular exige motivação, objetivos claros e estratégia."

O próximo Enem está marcado para os dias 3 e 4 de novembro. Confira abaixo os 10 temas que podem cair na prova de redação:

1. As questões ambientais

2. Bullying

3. Violência nas escolas

4. Violência no trânsito

5. Participação política

6. Álcool x Trânsito

7. Desarmamento

8. Desigualdade social

9. Esporte como fator de inclusão social

10. Comportamento jovem nas mídias sociais

Fonte: Estadão.edu

Hoje já faz 30 dias que o jornalista Décio Sá foi assassinado.

Não, não temos mais liberdade. Não sabemos o que fazer, o homem está se privando de sua liberdade, as palavras não saem, os comunicadores não se expressam. Há um soluço incontido e um sentimento de impunidade mais avassalador ainda. A natureza é, literalmente, privada do homem... Nunca houve época mais perturbadora da ordem, o que possibilita o horror da ordem: uma desordem. A morte e o assassinato não é justiça. Não se faz justiça matando pessoas. Há um silêncio sepulcral. Os homens diminuíram, parecem se agacharem. O valor das instituições precisa ser preservado.

Hoje completou 1 mês, que é igual a 30 dias, que assassinaram o jornalista Décio Sá. Um crime bárbaro. Um crime hediondo. Um crime frio, com requistes de encomenda. Um crime contra a livre expressão. Um crime contra a vida. Crime contra a família. Um crime cruel. Um crime contra a Comunicação. Um crime contra a livre manifestação de opinião. Um crime contra o jornalismo. Um crime contra a humanidade. Um crime contra o Estado Democrático de Direito, portanto, que afronta a Constituição Brasileira. Um crime contra as instituições do Maranhão. Um crime frio e cruel. Sinto náuseas...

O Maranhão, o Brasil e o mundo não podem calar. Nada é mais cruel que tirar a vida de uma pessoa. No caso, os profissionais da informação precisam ter prerrogativas que lhes assegurem trabalhar, viver e ser feliz. No Maranhão existem muitos profissionais que são perseguidos por emitirem livremente suas impressões, principalmente quando está em jogo o interesse público ou a confusão que muitos detentores de cargos públicos fazem entre o que é público e o que é privado. Os tiranos não se conformam com críticas. Todos, num país democrático, temos o direito de ter lados ideológicos, ser fisiológicos se for o caso, ser pelego ou não, torcer por time A ou B, ou Z, não interessa. Temos o direito de ser livres: ser livre é ter opinião própria, seguir nossas próprias convicções. Contestar ou desaprovar um sistema é salutar, mas o que não podemos é abrir mão da nossa condição de irmãos, irmãos diferentes.

A indignação dos comunica-dores deve se nutrir até que faça justiça. Os aparelhos de Estado, no caso, neste primeiro momento, o aparelho repressivo precisa responder ao mundo inteiro que este crime não cairá na gaveta fria dos inquéritos “inconclusos”. Nosso Estado não pode ter como lógica: a lógica do crime. Eu considero o crime contra o jornalista Décio Sá um frontal desrespeito ao Estado brasileiro. A República chora, pois um profissional que tinha sempre a sua frente um bloco para ser desvirginado pela informação, tombou em estampidos, debruçando sobre poças de sangue. O que é isso? Os selvagens eram assim? Os animais irracionais são assim? Então temos que nos recompor de nossa dor e desalento e lutarmos, lembrarmos a partir de agora, em todos os blogs e outras mídias, quantos dias, meses e anos já se passaram, ou passarão até que essa injustiça seja reparada com o rigor dos Códigos vigentes. Aqui não cabem questionamentos, a justiça tem que ser feita. A impunidade é tão cruel para uma livre nação quanto à insensatez e brutalidade de quem ceifa vidas.

Sugiro que todos os dias em nossas mídias, antes que postemos qualquer informação ou opinião, lembremos por meio de textos, de quanto tempo já se passou do assassinato do jornalista Décio Sá.

Dessa forma: Hoje faz 30 dias que o jornalista Décio Sá foi assassinado.



22/05/2012

GREVE DOS RODOVIÁRIOS

OS TRABALHADORES TÊM SEUS DIREITOS, INCLUSIVE O DE GREVE, MAS UMA COISA É VERDADEIRA, OS PREJUÍZOS SÃO INCALCULÁVEIS. O CENÁRIO É DE TRISTEZA

A GRATIDÃO É UM DOS MAIS NOBRES SENTIMENTOS


A GRATIDÃO É UM DOS SENTIMENTOS MAIS NOBRES DO SER HUMANO. TENHO DITO REPETIDAMENTE QUE SOU GEATO A MUITA GENTE. HOJE INTERAGIR COM UM FUNCIONÁRIO BASTANTE EXPERIENTE DA SEDUC. ELE LEMBROU DE NOSSO COMEÇO DE MUITAS DIFICULDADES. ESCUTOU-ME ATENCIOSAMENTE COMO NOS VELHOS TEMPOS. LEMBRAMOS JUNTOS DE PERSONAGENS QUE FAZEM PARTE DA HISTÓRIA DESTA INSTITUIÇÃO.

FEZ-ME REDESCOBRIR VALORES QUE PENSEI NÃO NOTASSEM. FALEI DE MINHAS PRETENSÕES POLÍTICAS E DE ORDEM PESSOAL. FALEI AINDA DE AMOR POR ARARI E PELA INSTITUIÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESTADUAL.

A GRATIDÃO QUE TENHO PELAS PESSOAS, EXPRESSO EM MEUS TEXTOS. HOJE DISSE A UMA PESSOA DE MINHA CONSIDERAÇÃO QUE SOU MUITO GRATO ÀS PESSOAS QUE AJUDARAM A CHEGAR ATÉ AQUI.

CHEGUEI A SÃO LUÍS PRATICAMENTE ANALFABETO. A CONVIVÊNCIA COM FUNCIONÁRIOS DA SEDUC ME AJUDARAM, ALÉM DA BOA CONVIVÊNCIA COM MEUS COLEGAS ESTUDIOSOS DA CASA DO ESTUDANTE E DAS REPÚBLICAS QUE MOREI. CITO, COMO EXEMPLOS, JOSÉ LUIZ, BENEDITO, RIBEIRO, LUIS RAPOSO (LUIZÃO), PROFESSOR BENTO VIEIRA, PROFESSOR NAPOLEÃO E MEU IRMÃO DE CORAÇÃO LUIZ EVERTON, E OUTROS.

ASSIM SEGUE A VIDA. DEUS TEM ME PROPORCIONADO CHEGAR A LUGARES QUE JAMAIS PENSEI, FRUTO DE MEU ESFORÇO E DA PRECIOSA AJUDA DOS QUE ME QUEREM BEM. VOCÊS SÃO BONS E EU NUTRO ESSE AMOR NO MEU CORAÇÃO...

EDUCAÇÃO

PREMIAÇÃO CRIADA PELO GOVERNO CEARENSE INCENTIVA ALFABETIZAÇÃO


Ministro da Educação e o governador do Ceará fizeram a entrega do prêmio Escola Nota 10, criado pelo estado para contemplar as 150 unidades públicas com melhores resultados de alfabetização

Fonte: MEC

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o governador do Ceará, Cid Gomes, fizeram nesta segunda-feira, 21, a entrega do prêmio Escola Nota 10, criado pelo estado para contemplar as 150 unidades públicas com melhores resultados de alfabetização.
O critério para a premiação é o Índice de Desempenho Escolar – Alfabetização (IDE-Alfa). São considerados os melhores resultados do quinto ano. As escolas premiadas receberam troféu e prêmios em dinheiro – R$ 2.000 por aluno avaliado, pagos em duas parcelas. A primeira, de 75%, é imediata. A segunda é paga após um ano para as escolas que desenvolverem ações de cooperação técnico-pedagógica com uma das 150 escolas com menores resultados.
Para o ministro Aloizio Mercadante, a experiência do estado do Ceará serve de inspiração para o país. Ele adiantou que em breve será lançado pelo governo federal um programa nacional de alfabetização na idade certa. “O programa apoiará as iniciativas que já existem em alguns estados e terá outras ações com o objetivo de alfabetizar todas as crianças até os oito anos”, disse.
O governador Cid disse que o prêmio é uma ação universalizada que revela o desempenho de 8 mil estudantes e 184 municípios do estado cearense. Em 2007, somente 40% dos estudantes aprendiam a ler e escrever até o final do segundo ano da educação fundamental. Atualmente o índice de alfabetização entre os alunos da rede pública chega a 81,5%. “O diferencial é a motivação de professores, gestores, governantes, além de melhoria no material pedagógico e fiscalização”, afirmou.



21/05/2012

E O TRANSPORTE COLETIVO CONTINUA PARADO

TRANSPORTE COLETIVO PARADO

O TRANSPORTE COLETIVO ESTÁ PARADO. UM CAOS SE ESTABELEU. ANTES DE TUDO, OMISSÃO DO PODER PÚBLICO MUNICIPAL.  O VEREADOR IVALDO RODRIGUES AINDA DISSE QUE ESSSA É UMA QUESTÃO PARA SER RESOLVIDO ENTRE PATRÕES E EMPREGADOS...

20/05/2012

Direito à vida e à liberdade - Direito à vida - Direito à liberdade - a vida - a liberdade = direiito indisponível

Não é de hoje que se tem presenciado a crimes contra a vida e contra a liberdade de expressão. Que diabos de ditadores que nos perseguiam e agora são os monstros do crime – pistoleiros alugados - que nos querem mortos. Percebe-se da mesma maneira, que crime contra jornalistas e de representantes de entidades sociais não são exclusividade de nossos dias. Nesse sentido o poder público tem sido incompetente.
A história registra que crimes contra a liberdade de expressão têm manchado de sangue o multicolorido de nossa bandeira. Disso a maioria das pessoas medianamente informadas se dá conta, mas praticar crimes contra o Estado na sua acepção plena, tem se alastrado de forma a nos fazer pensar que os criminosos acham-se acima da lei e da ordem.
O crime da litorânea, região nobre da capital do Maranhão, o barbarismo cometido contra o jornalista Décio Sá é de uma ousadia tão grande que pode somente ser comparado ao calculismo dos assassinos executores e mandantes. Mas por quê vocês fizeram isso?
Depois do assassinato de Décio Sá outras pessoas já tombaram vítimas de igual rancor e ódio. Os assassinos acreditam na impunidade da mesma maneira que tiram a vida de suas vítimas. É comum no Maranhão reverter à ordem dos fatos. Não cabe aqui as concordâncias discordâncias de estilo, forma, ideologia o qualquer outro elemento. O que interessa é que mataram, tiram a vida de um dos mais brilhantes jornalistas de nossa época. Com isso atentaram contra à democracia, ao Estado de Direito, a aproximadamente seis milhões de maranhenses que primam pela ordem e, principalmente, por ser um crime contra a humanidade.
Pois quem o praticou e que mandou praticar o crime certamente não teme o Estado, às leis e as conseqüentes medidas previstas na tipologia criminal. O tombo do jornalista Décio Sá, os estampidos da violência que o atingiu por meio de uma pistola, cujo pente foi deixado próximo a um grupo de evangélicos, que em retiro fazia orações, é o sinal de que a arma, de uso exclusivo da polícia, demonstra também que um descontrole instituído por quem nos devia proteger. O crime, o melhor a segurança pública do Maranhão, por mais que alguém possa nos querer ver ou nos persuadir do contrário, está em franco descontrole. Ninguém mais precisa dizer nada, o Estado precisa tomar medidas urgentes, uma vez que não investe em outras políticas que se bem que poderiam não comprometer o futuro de muitos jovens de agora. Do contrário, o presente está comprometido. Não temos segurança em lugar nenhum desde Estado. Imagine cobrar do Estado que alguém possa trabalhar livremente a informação de forma investigativa, instigante, contumaz, necessária... Esse alguém era um jornalista, mas também pai, filho, amigo e inegável defensor de um Estado melhor.
Temos absoluta convicção que os familiares, amigos, companheiros de trabalho, admiradores de Décio Sá não desejavam ver o jornalista como um mártir do jornalismo investigativo, porém morto, mas desejavam, sobre tudo, que ele seguisse em frente seu trabalho.
Mas ainda escutamos e escutaremos por um bom tempo os estampidos da maldade, da intolerância, da insegurança e da perversidade de quem não acredita nos aparelhos repressivos do Estado. Tanto é que, ousadamente desafiaram a ordem. Entendemos que a pior medida que se poderia decretar à comunicação do Maranhão é a de querer nos calar a respeito desse crime hediondo, bandido, audaz e desaforado. Não, não nos peçam isso. É pedir muito a quem ainda não se recompôs e se sente igualmente ferido.
Jornais, blogs, rádios, televisões, a mídia de maneira geral, não pode se calar nesta hora de dor e desalento. Certamente não podemos e não devemos exercer o papel de polícia, de justiça ou de governo, mas podemos reclamar e clamar por justiça nesses episódios que consideramos um atentado contra a livre imprensa e contra a Constituição nacional. Nesse sentido, nos comprometemos em todas as nossas edições, não importa a mídia, lembrar as autoridades de que esse é um crime contra todos nós. Calar por quê? Por que alguns desses profissionais podem contrariar um tirano qualquer e ter igual destino? Isso é o fim!

Os números do Ensino Médio

As taxas de reprovação e abandono no Ensino Médio divulgadas pelo Inep são mais um sinal de alerta sobre a má qualidade da Educação brasileira", afirma jornal

Os últimos números do Ministério da Educação (MEC) revelam que, em 2011, o índice de reprovação na rede pública e privada de Ensino médio foi de 13,1% - o maior dos últimos 13 anos. Em 2010, foi de 12,5%. Os Alunos reprovados não conseguem ler, escrever e calcular com o mínimo de aptidão, tendo ingressado no Ensino médio com nível de conhecimento equivalente ao da 5.ª série do Ensino fundamental.
O Estado com o maior índice de reprovados foi o Rio Grande do Sul - 20,7% dos Alunos. Em segundo lugar aparecem, empatados, Rio de Janeiro e Distrito Federal, com índice de 18,%, seguidos pelo Espírito Santo (18,4%) e Mato Grosso (18,2%). A rede municipal de Ensino médio na região urbana de Belém, no Estado do Pará, foi a que apresentou o maior índice de reprovação do País (62,5%), seguida pela rede federal na zona rural de Mato Grosso do Sul (40,3%). No Estado de São Paulo, o índice pulou de 11% para 15,4%, entre 2010 e 2011.
Os Estados com os menores índices de reprovação foram Amazonas (6%), Ceará (6,7%), Santa Catarina (7,5%), Paraíba (7,7%) e Rio Grande do Norte (8%). Os indicadores também mostram que 9,6% dos estudantes da rede pública e privada de Ensino médio abandonaram a Escola - em 2010, a taxa foi de 10,3%; em 2009, ela foi de 11,5%; e em 2008, de 12,8%.
Já na rede pública e privada de Ensino fundamental, o movimento foi inverso ao do Ensino médio. Entre 2010 e 2011, a taxa média de reprovação caiu de 10,3% para 9,6% e o índice de abandono diminuiu de 3,1% para 2,8%, no período. Os Estados com os maiores índices de repetência foram Sergipe (19,5%), Bahia (18,5%), Alagoas (15,2%), Rio Grande do Norte (14,9%) e Rondônia (14,2%). Se forem consideradas apenas as Escolas públicas, as redes de Ensino fundamental da Bahia e Sergipe foram as que registraram os mais altos índices de reprovação do País - 26,6% e 22,5%, respectivamente. Os Estados com as menores taxas foram Mato Grosso (3,6%), Santa Catarina (4,4%), São Paulo (4,9%), Minas Gerais (7,3%) e Goiás (7,6%).
Esses números, que atestam o fracasso da política educacional dos governos Lula e Dilma, foram divulgados na última segunda-feira, pelo site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), vinculado ao MEC. Como não havia nada para comemorar ou para ser explorado politicamente pelo governo na campanha eleitoral deste ano, a divulgação foi feita de maneira muito discreta - evidentemente, para não prejudicar a imagem do ex-ministro Fernando Haddad, candidato à Prefeitura de São Paulo.
Ao depor na Câmara dos Deputados, em 2007, Haddad afirmou que o Ensino médio vivia uma "crise aguda" e reconheceu que as políticas até então adotadas pelo governo federal para estimular os governos estaduais a modernizarem o Ensino médio não vinham surtindo efeito. Em 2008, quando integrou um grupo interministerial com o então secretário de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger, ele pediu ao CNE novas diretrizes curriculares para tentar melhorar a qualidade do Ensino médio - o mais problemático de todos os ciclos de Ensino.
Homologadas no final de março por seu sucessor, essas diretrizes sugerem a adoção de "procedimentos que guardem maior relação com o projeto de vida dos estudantes". A ideia é tornar o Ensino médio mais atraente, valorizando a correlação entre trabalho, ciência, tecnologia e cultura. Quando as diretrizes foram anunciadas, em meio a mais uma polêmica sobre o desvirtuamento do Exame Nacional do Ensino médio, por causa das mudanças introduzidas por Haddad nesse mecanismo de avaliação, vários pedagogos afirmaram que elas não eliminarão os gargalos do Ensino médio. Para esses pedagogos, as novas diretrizes são mais retóricas do que práticas e estimulam a oferta de um grande número de disciplinas.
As taxas de reprovação e abandono no Ensino médio divulgadas pelo Inep são mais um sinal de alerta sobre a má qualidade da Educação brasileira. E pelas políticas adotadas até agora, dificilmente esse quadro mudará tão cedo.
Fonte: Jornal O Estado de S. Paulo (SP)

18/05/2012

Seduc vai de Pedro Fernandes.

Este blog noticiou em primeira mão a ida do deputado Pedro Fernandes para a Secretaria de Educação do Estado. Relutou, averiguou, certificou-se, aceitou!
Acesse ao seguinte pôster: Seduc deve ir de Pedro Fernandes.

Somos iguais?

Embora devêssemos ser iguais perante a lei, mas somos mesmos diferentes em muitos sentidos. Também ressalva-se a esta certeza, a relação de igualdade de direitos e obrigações, de que assimilamos do texto magno, diferenças acentuadas ao longo da história que têm nos causado lacunas.
Todos sentimos que a nossa igualdade não é conhecida sabiamente e, ao mesmo tempo, imperfeita e em construção, pois o no art. 5º, caput/CF/88, outros artigos, posto mais à frente, reclamam por tal preenchimento, tanto é que há a recorrência da quotas, não somente em razão da desigualdade históricas, mas pela crescente necessidade de reparação. É um paradoxo! Pois o Estado “obriga-se” a instituir o sistema de quotas, declinando-se a aceitar a desigualdade cuja igualdade mascara.
Não somos iguais: somos brancos, amarelos, negros, nativos, americanos, baixos, médios, altos, anões, humildes, arrogantes, simpáticos, antipáticos, ricos ou pobres... Tem-se um rol de diferenças que fazem parte da nossa identidade e/ou constituição de caráter.
Mas não é só a Constituição que nos coloca em pé de igualdade a todos os cidadãos, embora letras, muitas vezes vazias em semântica. Se pensarmos bem reflexivamente, as instituições nos enganam e os que nos dominam tiram proveito disso. Então este é um discurso necessário. A família, a escola, as igrejas, em todas as instâncias de interação e convivência ratificam uma tal igualdade da qual a maioria da população não alcança. Somos segregados e até contribuímos para isto. Ou não? Como se trata de uma opinião possa ser que se transmute aqui parte da minha ignorância por achar que sou diferente.
Os homens podem até ser diferentes ou mesmo iguais perante à lei, mas por que uns dormem ao relento, não têm condições dignas de vida em que entre a cidadania e seu estado há um enorme vácuo, e outros se cobrem com o véu do magnificente status e podem mais em tudo, ou quase tudo.
Preferimos, então, continuar bradando, como figura de autodefesa e ou por pura insipiência, dando patadas: que pensa que és? Sabes com quem estás falando?
Sei que muitos estão se questionando os porquês de tanta desigualdade que se constituem verdadeiros abismos. Porém é muito complexo interpretar fatos sociais, direitos constituídos e a negação deles conforme nossos desejos, da forma que gostaríamos que fossem, ou então passamos a repetir discursos, geralmente ancorados por pessoas que elegemos nossos ídolos ou mesmo representantes. Nós escolhemos mal e acabamos nos adaptando ao gosto dos outros.
Redundâncias à parte, sinto-me diferente, um pária, inclusive por ter e emitir opiniões diferentes. Talvez se me omitisse seria considerado um afim. Nesse sentido, os iguais têm como ambiência os porões sujos de corrupção ou impunidade, uma vez que uma nutre-se da outra. Sei, sou diferente e prefiro sê-lo.
Ainda a respeito desta percepção, entendo que há momentos que nos igualamos: quando abandonamos os nossos velhos e conhecidos amigos e, por um viés inesperado da vida, voltamos ao nosso estágio natural dos mortais e nos encontramos com os outros humanos; ou quando por motivo de doença grave, no hospital, ou à beira do sepulcro, tendo em vista que os problemas nos obrigam a situações que nos destituem de nossas pretensões e orgulho e, quando morremos, em que as bactérias nos esperam para se nutrirem com nossos restos e proliferar em suas colônias. E olha que tem ser rápido porque daí em diante nos tornando matéria putrefática e de odor muito forte indesejável. Fedemos! Voltamos ao nada. Então, temos que nos preocupar com nossa alma.
Em síntese, entendo que a partir das ambientes sociais, forjado nas trocas que realizamos no pulsar da construção das comunidades, não seremos sujeito e nem objeto se não atentarmos a nossos papéis e possíveis situações que nos são dadas como prontas, como é caso desta suposta igualdade, tão apregoada, mas necessariamente desigual.

Nilson de Jesus Ericeira Sousa
E-mail: nilsondearari@ig.com.br
Blog: http:/jornalistanilsonericeira.blogspot.com

A DESORDEM DO TRÂNSITO EM SÃO LUÍS


Hoje São Luís vive seu inferno astral. Os ônibus que realizam o transporte coletivo de passageiros estão parando. Alguns nem saem das garagens.

As pessoas estão descendo do ônibus na altura do anel-viário e nas Cajazeiras.

Ontem foi decidido por medida cautelar que a frota deveria imediatamente entrar em circulação e que o aumento deveria ser de 7%.

O Sindicato dos Transportes Rodoviários alega que não foram contemplados com aumento no ticket refeição e plano de saúde.

Não dá para fazer a análise rasteira, como fazem alguns profissionais da mídia local, que a população local está sendo prejudicado e que está sendo desrespeitado o preceito constitucional de “ir vir”. E o direito à greve, não é preceito constitucional regulamentado por Lei?

O certo é que a desordem nesse setor é generalizante. Quem mora aqui sabe. O prefeito atual não fez nada, aliás, fez: piorou.

Andar em São Luís hoje virou coisa de louco. Não há lugar que se tenha tranqüilidade, além do problema do trânsito, que mais parece a Índia, em que jumentos e outros animais congestionam o trânsito, a insegurança nos está dominando. Mas essa é uma questão para o Estado resolver. Se bem que Segurança é um dever do Estado e da sociedade. Talvez as autoridades tenham esquecido de suas atribuições ou pensando que se resolve Segurança pública com palavras ao vento e figura de efeito.

17/05/2012

Poemará

Pedras da vida


Pedras lisas
Pedras caraquentas
Pedras que ferem
Pedra que massageiam
Pedras que se juntam
Pedras ao vento...
Pedras obstáculos
Pedras que constroem
Pedras que matam
Pedras que é fonte
Pedras que é porto
Pedras que unem
Pedras que são rochas
Pedras que são pedradas
Pedras que partem
Pedras que formam escadas
Pedras entulhos
Pedras que ensinam
Pedras que ardem
Pedras que harmonizam
Pedras caricaturas
Pedras caminhos...
Outras pedras, pedreiras,
Pedregulhos.

Nilson Ericeira
Robrielli

E-mail.: nilsondearari@ig.com.br,nilsonericeira@gmail.com

EDUCAÇÃO: O papel da escola na luta contra o tabagismo



Por Mirella Stivani

Avisos de que o cigarro faz mal à saúde estão por toda a parte, inclusive na embalagem do próprio produto. Mas apesar das campanhas alertando sobre o perigo do tabagismo, há pessoas que continuam experimentando ou se vician¬do no cigarro, que é uma droga legalizada. E para piorar a gravidade do problema, o início do vício engloba jovens em idade escolar. Uma recente pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde (MS) apontou que os brasileiros estão começando a fumar cada vez mais cedo. De acordo com o estudo, 52,6% das meninas e pelo menos 48,1% dos meninos de 13 a 15 anos já tiveram algum contato direto com o cigarro. Por isso, a escola tem um papel muito importante para combater esse problema.

Os adolescentes brasileiros não têm dificuldade para comprar cigarro, apesar de o País dispor da Lei Federal (n.º 8.069/1990) que proíbe a venda do produto a menores de idade. E justamente os jovens são o principal alvo da indústria do tabaco, interessada em atrair novos consumidores. O fumo entre os estudantes pode ser uma forma de rebeldia ou uma maneira de se encaixar em um determinado grupo de amigos. “A curiosidade, o desejo de ser ‘igual à turma’ e/ou a vontade de infringir regras podem ser as explicações para que os jovens experimentem o cigarro. Os esclarecimentos amplamente feitos pela mídia e pelas escolas passam a ser secundários e, infelizmente, quando a consciência sobre os malefícios do tabaco desperta, costuma ser tarde demais para se livrar facilmente do vício”, ressalta a psicopedagoga Norma Astréa Nunes Grünewald, mestre em Educação, Administração e Comunicação, além de coordenadora do curso de Pedagogia da Faculdade Pitágoras de Linhares (ES).

Para a educadora Renata Carone Sborgia, formada em Direito e Letras e autora do livro Tabagismo: Uma busca da subjetividade no uso da droga permitida, da Sapere Editora, apesar da proibição da propaganda, o fumo ainda atinge os adolescentes e os jovens, que continuam à procura de autoafirmação, da “porta de entrada” no grupo social (ou, na linguagem dos jovens, na “tribo”), bem como de outros fatores. “Assim são suscetíveis a todo o tipo de influência, principalmente porque muitos não possuem o discernimento suficiente para entender que a velhice saudável de amanhã é o sinônimo de juventude longe do cigarro de hoje. Rendem-se a ele ignorando os malefícios”, explica.

Segundo Renata, a escola tem um papel fundamental no desenvolvimento sadio do aluno, pois contribui para a formação global do jovem e da sociedade. Dessa forma, projetos, programas e ações preventivas precisam ser incentivados e valorizados pelos professores e fazer parte da realidade escolar, desde o início da vida acadêmica do estudante. “Todo corpo docente precisa ser capacitado de forma técnica para desenvolver adequadamente o tema em sala de aula e no cotidiano escolar. É uma tarefa que requer tempo e investimento”, orienta.

A coordenadora do curso de Pedagogia concorda que a abordagem sobre o assunto deve ser feita já com os educandos mais novos. “Quanto mais cedo a escola abordar a questão dos malefícios do tabaco, mais chances terá de [fazer com que] seus alunos não se envolvam com o cigarro, uma vez que as crianças costumam acreditar e defender tudo que os bons professores lhes ensinam”, afirma Norma, que também atuou como professora, coordenadora e diretora na educação básica. Ela ainda acrescenta que o sucesso dos projetos dessa natureza também depende diretamente do envolvimento da família.

Ensino-aprendizagem

Diversas ações podem ser realizadas pelos docentes e/ou por toda a escola para que os alunos entendam que fumar definitivamente não é uma boa opção. Renata lembra que, desde 1986, o Brasil comemora, em 29 de agosto, o Dia Nacional de Combate ao Tabagismo, uma data que pode ser trabalhada com atividades voltadas à conscientização dos alunos sobre os males do cigarro à saúde, bem como ao meio ambiente. “Outra sugestão: um programa para promover um esforço conjunto na prevenção ao abuso de drogas e na pro¬moção da qualidade de vida da comunidade na qual grupos de alunos desenvolvem estudos em uma perspectiva crítica, por meio de projetos multi e interdisciplinares junto à comunidade. Outro projeto interessante: palestras que enfoquem os malefícios do tabaco em relação ao corpo humano”, sugere.

A autora de Tabagismo: Uma busca da subjetividade no uso da droga permitida ainda sugere que os professores explorem tanto atividades curriculares como extracurriculares. “Mas, para isso, devem estar devidamente capacitados, munidos de material didático e repertório fundamentado para as atividades a serem trabalhadas, como documentários, músicas, livros, sites da internet, acervo de textos, além de uma lista de filmes.” Ela propõe o uso dos seguintes filmes: Obrigado por Fumar, Sobre Café e Cigarros, Cortina de Fumaça, Fumando Espero, O Informante e É Proibido Fumar.

Norma acredita que os projetos escolares são fundamentais para mudar o comportamento dos jovens ao alertá-los sobre os riscos do uso do cigarro. Segundo a coordenadora, o programa de prevenção precisa fazer parte do cotidiano, ser intensivo, precoce e duradouro, com tendências para envolver professores, alunos e as famílias em suas atividades. Na educação infantil ou no ensino fundamental I, os docentes podem criar estratégias de abordagens desse tema. “Por exemplo, podem elaborar uma história em que uma das personagens esteja doente e viva cansada por conviver com gente que fuma. Por meio de um rodízio, cada criança leva o boneco [essa personagem] para passar a noite em sua casa e pede ajuda aos pais sobre o que fazer para que o mesmo sare, além de discutir as consequências [do uso do cigarro com os familiares]”, relata. Em relação ao ensino fundamental II, a sugestão seria a abordagem por meio de um planejamento interdisciplinar: as aulas de Português podem abordar o assunto por meio de charges e cartuns; as de Matemática podem começar a levantar os números de fumantes e de doentes no Brasil; as de Ciências podem propor a criação de experimentos mostrando as diferenças entre o pulmão de um fumante e o de um não fumante. Já no caso dos estudantes do ensino médio, uma equipe docente criativa pode propor e desenvolver projetos que envolvam desde a história do tabaco, a geografia e economia das cidades que o produzem até a mostra artística dos seus malefícios, inclusive mostrando os valores gastos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para tratamento de doenças ocasionadas pelo tabaco.

Entretanto, às vezes, mesmo explicando todos os malefícios que o cigarro provoca à saúde, os jovens ainda não se sentem convencidos de que o perigo existe. O médico pneumologista Marcos Henrique Sant’Ana do Nascimento dá uma dica que pode ser bastante útil nesses casos: ressaltar aos alunos que fumar é um hábito muito caro. “Peça para calcularem o custo semanal, mensal ou anual de fumar um maço por dia. Depois, é só comparar o custo com o de aparelhos eletrônicos, como um PS3 [PlayStation 3] e um iPhone, e mesmo com o de uma viagem. Some estes custos à possibilidade de ficarem doentes, de terem gripes de repetição, tosse crônica e outras doenças, como DPOC [Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica], câncer de pulmão, câncer de laringe e até mesmo leucemia. Tudo isso para uma dependência evitável.” Ele completa dizendo que não vale a pena colocar a própria saúde, a de amigos ou familiares e até mesmo do animal de estimação em risco. “A chave para a economia de qualquer sociedade é poupança e saúde! E é exatamente isto que o cigarro rouba.” (veja a entrevista do médico a seguir).

Outra dica para os educadores é acessarem o portal do Programa Crescer Legal (www.crescerlegal.com.br), uma ação conjunta entre o Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco), as empresas associadas e a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra). A iniciativa tem o objetivo de prevenir e combater o trabalho de crianças e adolescentes na cultura do tabaco, por meio da conscientização dos produtores integrados e da sociedade, bem como do incentivo à educação dos filhos dos produtores e à qualificação do jovem rural com projetos sociais no âmbito da educação e do lazer.

Professor fumante

O tabagismo é um problema que atinge pessoas de diferentes idades, por isso, não é incomum encontrar docentes que fumam. Mas, nesses casos, o que poderia ser um risco para o sucesso de programas de antitabagismo nas escolas pode ser revertido como um ponto a favor. “O bom profissional, ainda que seja fumante há muito tempo, pode perfeitamente se envolver nos projetos e, inclusive, dar depoimentos sobre o quanto é difícil abandonar o vício e ter de conviver com as restrições impostas aos fumantes”, opina Norma.

Renata faz mais uma recomendação aos educadores que vivem com o vício: “para o profissional fumante, está na hora de rever seus conceitos, seus hábitos, seu papel no contexto social, porque é usuário de uma substância corrosiva que vem sendo atualmente repudiada por toda a sociedade e por uma simples razão: pelo mal que causa à saúde.”

Médico alerta sobre as consequências do uso do cigarro

O cigarro provoca inúmeros malefícios, mesmo para os fumantes passivos. Entender exatamente a extensão do problema pode auxiliar ainda mais os professores e outros profissionais do ensino a explicar aos alunos o perigo do tabagismo. De acordo com o médico pneumologista Marcos Henrique Sant’Ana do Nascimento, consultor da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) e docente da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), cerca de 30 milhões de brasileiros ainda fumam no Brasil, e o cigarro pode ser consumido tanto de forma ativa (pelo fumante), como de forma passiva (por quem está nas proximidades do fumante). “Se fossemos reproduzir a criação de um cigarro tal qual a realização de uma receita culinária, teríamos que conseguir mais de 4 mil ingredientes ou produtos químicos. Destes, cerca de 2 mil já vem ‘in natura’, na própria folha do tabaco, e outros 2 mil são produzidos espontaneamente a partir da combustão (queima) do produto. Outros são ‘gentilmente’ associados ao produto pelos fabricantes para tê-lo como cliente para o resto da vida; são produtos associados ao sabor e que imprimem uma espécie de selo atrelado a cada marca de cigarros”, explica. A seguir, Nascimento explica em mais detalhes por que fumar faz tão mal à saúde.

Profissão Mestre: Como o cigarro pode prejudicar a saúde dos adolescentes?

Marcos Henrique Sant’Ana do Nascimento: O fumo entre os adolescentes pode ser iniciado inocentemente, mas lamentavelmente vai se tornar um problema no futuro. Na verdade, a maioria dos fumantes adultos começa a fumar na adolescência. Qual seria a melhor atitude? Parar de fumar na primeira tragada, ou melhor ainda, nem começar. Cerca de 90% dos adultos fumantes começam a fumar antes dos 18 anos. Mais do que uma curiosidade é o fato de que quanto mais jovem a pessoa começa a fumar, mais dificuldade terá para parar de fumar. Na pele, por exemplo, o cigarro pode promover o aumento da ocorrência de acnes (espinhas) e gerar marcas desnecessárias e evitáveis no rosto dos fumantes. Cronicamente, a pele torna-se menos elástica e, portanto, mais envelhecida. A tonalidade da voz pode ser afetada no decorrer do tempo, tornando-se mais grave. As substâncias que estão contidas no cigarro e são carregadas pela fumaça agridem as vias respiratórias e os brônquios, que são os canais que levam o ar para os pulmões. Há um risco imediato de aumento da pressão arterial e, em longo prazo, de lesão cardíaca.

Profissão Mestre: Quais são os perigos para um fumante passivo?

Nascimento: Enquanto uma pessoa fuma, dois tipos de fumaça são produzidos: aquela inalada e exalada pelo fumante, chamada de corrente primária (CP), que equivale a 25% do total, e a corrente secundária (CS), responsável pelos outros 75% e decorrente da queima direta do cigarro. A presença da fumaça do tabaco nas casas, locais de trabalho, dentro dos carros ou em ambientes de lazer condiciona a existência dos fumantes passivos. O fato é que o fumo passivo é um potencial causador das doenças provocadas pelo tabaco, como câncer de pulmão, por exemplo.

Profissão Mestre: Quem deseja parar de fumar deve contar apenas com a força de vontade ou existem tratamentos que podem auxiliar?

Nascimento: A força de vontade é o primeiro passo para o fumante. No entanto, apenas força de vontade não basta. As chances de parar de fumar sem nenhum auxílio são muito pequenas; apenas 1 a 3% das pessoas conseguem sem acompanhamento. O grande incentivo são as mudanças que ocorrem e os benefícios. Por isso é importante que haja um acompanhamento médico e se possível com terapia cognitiva comportamental.

Fonte:
http://www.profissaomestre.com.br

16/05/2012

Minha turma de Direito

Passei dez anos para ser aprovado no vestibular. Sem saudosismo, mas naquele tempo era bem mais difícil. Durante esse tempo cheguei a me mutilar mentalmente. Cheguei até a pensar que estava num dos estágios da loucura: andava alucinado. Sentia fomes. Hoje, meu estágio eu não sei, mas o sei é que sinto fomes. Uma delas é a de justiça.
Mas não é sobre que quero escrever. Desejo contar da minha nova turma de amigos. Nem tão nova assim, pois já estamos há quase três anos juntos. Estamos, nesse período, construindo boas amizades. Sinto-me bem perto desses novos amigos que Deus me fez conhecer e amar.
Quando cursei Comunicação de 1991 a 1996, construir boas amizades. Sinto que para a maioria somos referência uns para os outros. Tenho saudades! Hoje, conforta-me convívio sapiente de pessoas que me ensinam. Sinto-me abraçado pelos meus colegas do curso de Direito. Não consigo me esquivar deles, nunca estou só, pois na biblioteca, na sala, nos corredores e outras ambiências da Universidade, lá estamos. Vamos aos nos juntando aos poucos e, quando menos esperamos, rimos uns dos outros, conversamos, interagimos...
Tenho tido muita dificuldade de aprendizagem, mas é compensada pelos estímulos que esses meus amigos me proporcionam. Dos meus problemas eles sempre me confortam.
Na sala de aula já fui mais ativo, pois pretensioso do jeito que sou, sei que os professores, a maioria, não entende da parte pedagógica da educação e alguns são insensíveis. Outros pensam que “ensinam”, sabrecam. Outros não menos pretensiosos vangloriam-se do que pensam que sabem. Mas há os que realmente orientam, interagem, valorizam-nos no devir da educação. Destes últimos temos bons resultados.
Este é um registro que marca um tempo. Tempo de aprender e de conhecer uns aos outros. Uma das maiores virtudes da educação é que ninguém aprende nada sozinho e nem aprende somente para si, pois se assim o fosse não teria sentido nenhum. Não posso ainda falar do Direito e muito menos da Justiça, mas engatinho rumo a decifrar um pequeno entendimento desse mundo inigmático que a sociedade produz na sua dinâmica.
Entre o que escrevo e o objetivo primeiro destes códigos, que eram juntar-se para reconhecer novos amigos, perco-me em devaneios, mas tudo bem estes também fazem parte dos insumos de que procuramos.

REFLEXÃO

A AMIZADE E A CONFIANÇA SÃO IRMÃS GÊMEAS.

NILSON ERICEIRA

FUTURAS ELEIÇÕES EM ARARI JÁ FERVILHAM

EM ARARI, UMA DAS CIDADES MAIS IMPORTANTES DO MARANHÃO, A POLÍTICA FERVILHA MESMO NÃO SENDO O PERÍODO ELEITORAL. AS PESSOAS EM ARARI TÊM SEMPRE LADOS BEM DEFINIDOS. FOI ASSIM NO BARRIGUISMO, NO PADRISMO, E, AGORA MAIS RECENTEMENTE, COM OS LEÃOZISTAS E RUIZISTAS (SE É QUE SE PODE ASSIM DEFINIR). ATUALMENTE SE CONSTITUEM NUM ZOOLÓGICO DE JACARÉS, LEÕES E OUTROS ANIMAIS. PORÉM COM A PROXIMAÇÃO DO EX-PREFEITO RUI FILHO AO PREFEITO LEÃO, QUEM APARECE BEM NA FITA É O VICE-PREFEITO DJALMA MELO.

MAS NÃO HÁ DÚVIDA QUE SIMPLESMENTE MARIA TAMBÉM É FORTE CONCORRENTE, UMA VEZ QUE TEM DADO MUITO TRABALHO A SEUS OPOSITORES.

OS DOIS IRMÃOS ÁLVARO E MÁRCIO JARDIM TAMBÉM POSTULAM A VEZ DE SE CANDIDATAREM, MÁRCIO JÁ FOI CANDIDATO PELO PT EM OUTRA ELEIÇÃO, E ÁLVARO PERTENCIA AO SECRETARIADO DO ATUAL PREFEITO DE ARARI, LEÃO SANTOS. OS DOIS SÃO BONS NOMES, SENDO QUE MILITAM EM PARTIDOS DIFERENTES.

OUTROS NOMES APARECEM COMO PRÉ-CANDIDATOS, A PROFESSORA E EX-SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO DE ARARI, AURINETE FREITAS, O SEMPRE MILITANTE TOTÓ VALE, SERGIO CAMPOS, JOÃO FERNANDES E OUTROS.

COMO SE TRATA DE UMA OPINIÃO, POSSÍVEIS PRÉCANDIDATOS PODEM TER FIUCADO DE FORA.

TIVE ACESSO HÁ ALGUMAS PESQUISAS, MAS COMO NÃO TENHO CONVICÇÃO DE SUA VALIDADE JUNTO Á JUSTIÇA ELEITORAL, RESGUARDO-ME EM DIVULGÁ-LA SÓ QUANDO OBTEVER A CONVICÇÃO DE SUA OFICIALIDADE.

SE DEPENDESSE SÓ DE MIM MESMO LANÇARIA HOJE MESMO A MINHA PRÉ-CANDIDATURA A PREFEITO, MAS COMO NA POLÍTICA NÃO DEVEMOS ATENDER SÓ A NOSSA VONTADE E SIM A DA MAIORIA...

DIA-A-DIA MARANHÃO

GREVE DE TRABALHADORES RODOVIÁRIOS


HOJE, PELA MANHÃ, ÔNIBUS FORAM APEDREJADOS NA CIDADE OLÍMPICA. ALÉM DISSO, OS MORADORES FECHARAM A AVENIDA II. DESLOCARAM PARA AVENIDA I EM QUE IGUAIS ATOS FORAM COMETIDOS.

TUDO POR OCASIÃO DA GREVE DOS TRABALHADORES DOS TRANSPORTES COLETIVOS DE SÃO LUÍS.



O QUE O POVO ESPERA?

JÁ SE FAZ UMA EXPECTATIVA MUITO GRANDE SOBRE QUAIS OS ASSUNTOS QUE DEVEM VIR À TONA NO PERÍODO ELEITORAL QUE SE APROXIMA.

É QUE ALGUNS PRETENSOS OCUPANTES DE CARGOS TANTO NO EXECUTIVO QUANTO NO LEGISLATIVO, VÃO TER POR OBRIGAÇÃO, OU POR FORÇA DA ESTRATÉGIA QUE ADOTAREM, FALAREM DE ALGUMAS TEMÁTICAS SOBRE AS QUAIS MUITOS DELES NÃO ENTENDEM NADA.

ASSUNTOS QUE GANHAM O TOM DE FUTURAS REALIZAQÇÕES, TAIS COMO: EDUCAÇÃO, SAÚDE, INFRAESTRUTURA, ENFIM POLÍTICAS SOCIAIS DE MANEIRA GERAL. TRATA-SE DE ASSUNTOS QUE DÃO VIDA À COMUNIDADE QUANDO REALIZADAS NO CASO CONCRETO, FORA DISSO É SÓ BLA, BLA, BLÁ.

INTERROGAÇÕES PODEM SER FEITAS DESDE AGORA. QUAIS GESTORES QUE PROMETERAM OU PROPUSERAM SITUAÇÕES QUE DE FATO SE CONCRETIZARAM? PODEMOS ATÉ ARRISCAR, COM RARÍSSIMAS EXCEÇÕES, ELES REALIZARAM O QUE PROMETERAM.

É BOM FICAR ESPERTO, POIS ALGUNS POLÍTICOS PENSAM QUE O POVO É BESTA.



Guitarra entra em cena


Estimule os alunos a expandirem seus horizontes musicais colocando o violão e a guitarra no centro da discussão em sala de aula. Leve os por uma viagem entre os principais guitarristas e monte uma audição para que a turma exponha seus músicos favoritos.
Objetivos
Levar a guitarra para a aula de música, procurando contextualizar o instrumento e seu uso ao longo da história.
Conteúdos
- História dos instrumentos violão e guitarra e seu emprego na música;
- Classificação dos instrumentos
- Apreciação de trechos de bandas com solos de guitarra.
Tempo estimado
Duas aulas
Flexibilização
Para flexibilizar esta atividade para alunos com deficiência intelectual, utilize imagens relativas
aos itens que vão sendo discutidos (esse recurso servirá também para os deficientes auditivos).
Monte uma espécie de álbum com as figuras que ilustrarão o texto. Associados a essas imagens,
devem estar os sons que são, sem dúvida, muito atrativos a qualquer pessoa, e, em se tratando das
pessoas com deficiência, mais ainda.
Para avaliar os conhecimentos construídos pelos alunos com deficiência, procure fazer perguntas, tanto na aula, quanto na hora da avaliação propriamente dita, utilizando o álbum de figuras como base para as respostas. Caso haja em sua sala um aluno com deficiência visual, procure descrever com detalhes todos os pontos apresentados e, se possível, traga para a aula, o próprio instrumento utilizado.
Material necessário
- Cópias da reportagem “Seis cordas heroicas”, de Sérgio Martins (ed. 2269, 16 de maio de 2012)
- Computador com acesso à internet e Datashow.
Desenvolvimento
Aula 1
Distribua cópias da reportagem de Veja em sala de aula, e peça que, silenciosamente, os alunos leiam o texto e grifem os principais termos que não compreenderem. Depois pergunte a eles: qual a diferença entre o violão e a guitarra?
Mostre então aos alunos a imagem utilizada recentemente pela Orquestra Filarmônica de Berlim para uma campanha publicitária. Com o slogan que podemos traduzir para algo como “por dentro da música de câmara”, visualizamos uma fotografia de uma sala de concertos. Pergunte aos alunos: o que eles visualizam na cena? Explique que se tratar de uma imagem ambígua, que tanto pode se referir à uma sala de música de câmara, quanto a um violão visto por dentro.
Comente o conceito de música de câmara, ou seja, a música erudita executada por um pequeno número de músicos. Sim, trata-se de um violão visto por dentro. Aproveite o momento para falar aos alunos sobre as partes e elementos do violão.
Explique então, que na foto do anúncio da Filarmônica de Berlim visualizamos a caixa de ressonância do violão, que nada mais é do que o local onde o ar se propaga. Conte então que o violão é um instrumento que produz som a partir da vibração das cordas esticadas. Portanto, trata-se de um instrumento cordófono. Além da corda esticada, porém, é necessário haver um aparelho ressonador para que o som seja amplificado naturalmente.
Para isso é que existe a caixa, em forma de 8, no meio da qual está a boca, um buraco pelo qual o som amplificado escapa para o exterior do instrumento.
Peça aos alunos que descrevam o violão e procure, enquanto isso, nomear as partes adequadamente. Na fotografia do anúncio da Filarmônica de Berlim, podemos ver as faixas ou ilhargas, que unem o tampo (parte da caixa com a boca) ao fundo.
http://revistaescola.abril.com.br

15/05/2012

Para Eliesita minha mãe


Mãe,
Andei por todos os jardins procurando uma flor para te ofertar.

Uma flor que só se encontra no jardim dos corações...

Encontrei, pois no meu jardim há essa flor: Eliesita.

Nilson Ericeira

Transporte coletivo de São Luís


Hoje São Luís acordou com apenas 50% da frota de ônibus. É que uma decisão judicial do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) garantiu esse percentual. Mas, aparentemente não é o que se vê, parece que circulam menos ônibus que o acordado.
Vejo o problema de ônibus coletivo em São Luís com muita preocupação. Inúmeros problemas se acumulam há anos e, agora, parecem que eclodiram. Ônibus sucateados, salários dos trabalhadores defasados, reivindicação de um lado, para o aumento nas tarifas e, de outro, os empresários decretam falência.
Sabe-se que o transporte de passageiros não dependem somente de ônibus, mas principalmente deles. Sem os ônibus circulando, mesmo que precariamente, como é em São Luís, os prejuízos logo se mostram.
E na avenida de suas ilações, o prefeito de São Luís, João Castelo, parece não ter rumo, perdido a trajetória e ultrapassado o sinal vermelho, uma vez que São Luís inteira não têm fachas. Nada ou quase nada foi feito em três anos de administração. Mesmo assim, o prefeito já fechou o sinal para a pretensão de qualquer aumento nas passagens. Que bom que o período eleitoral está se aproximando.
Como disse, são muitos os problemas que têm deixado a população de São Luís na contramão. O trânsito é um caos, não têm abrigos e isto não se resolve com paliativos. É preciso um plano de emergência para reestruturar as vias de São Luís.
Só que usa ônibus sabe o desconforto que é apresentado dia-a-dia em São Luís. Eu proporia que quando os 100% dos ônibus voltarem a circular, o prefeito ou algum de seus assessores fizessem um trajeto de um quilômetro dentro de um ônibus, mas antes deveriam aguardar de 45 minutos à 1h ou mais na parada. Isso se der para subir no ônibus.

Dispensar pais de reuniões

Um estudante disciplinado e que tem boas notas não é motivo de preocupação nem para a família nem para a escola. Portanto, seus pais não precisam ser convocados a participar das reuniões no final de cada período, certo? Errado. Pensar assim significa ter uma concepção equivocada do que devem ser os encontro de pais. Eles são, antes de tudo, uma maneira de envolver a família com o projeto político-pedagógico (PPP) e incentivá-la a acompanhar a aprendizagem dos filhos. São também uma oportunidade para que os professores expliquem as atividades que estão sendo trabalhadas em sala de aula, tirem dúvidas dos pais sobre o ensino e sugiram formas de os pais contribuírem para esse processo em casa.

Já que a reunião não deve ter como objetivo falar de problemas pontuais, todos têm o direito de participar. "Prescindir da presença de alguns é como dizer que a opinião deles não importa. É uma postura autoritária, pois parte do princípio de que os educadores são os únicos responsáveis por tomar as decisões sobre os alunos e que a família só deve entrar em cena quando o filho representar um problema para a escola", diz Madalena Freire, pedagoga e coordenadora do Curso de Formação para Educadores de Educação Infantil do Instituto Superior de Educação Pró-Saber, em São Paulo. A participação dos pais, portanto, é um dos passos para que a gestão da escola seja democrática.

O argumento de que as famílias cujo filho tem bom desempenho não teriam o que discutir nas reuniões também é equivocado. Afinal, elas têm o direito de conhecer as estratégias usadas pelos professores para que o aluno aprenda. Além disso, esses pais, ao compartilhar suas experiências positivas, podem enriquecer a discussão sobre como ajudar os estudantes na lição de casa, por exemplo. "Ao manter contato com os educadores e outros pais, é possível descobrir outros pontos importantes sobre os filhos que mereçam atenção, como eventuais dificuldades de socialização com os colegas", explica Carmen da Silva Galluzzi, psicóloga educacional do Colégio Oemar, em São Paulo, e autora do livro Propostas para Reunião de Pais.

Por isso, é importante que constem do convite os objetivos do encontro. Pedir a confirmação da presença faz com que os responsáveis percebam a necessidade de participar e assumam o compromisso. Afinal, não apenas a equipe gestora mas também os pais devem perceber que esse tipo de reunião é indispensável.

Fonte: Revista Nova Escola