27/07/2010

Caimnheiro II

Caminheiro


Se eu vagasse a caminho

Em outro caminho

Descaminho ao encontro de ti

Seu eu vagasse sozinho

Em caminho

Nesse sentido ao encontro de ti

Se eu andasse nesse caminho

Que não fosse a ti

Descaminho ao encontro de ti

Em sombras e arrebol me encontraria contigo

Nesse sentido no encontro de ti.



No peito que arde

Nesse jeito que alarde

Esse amor é de ti

Sófrego amor

Desse riso que encanta

Na alma acalanta o encontro de ti.

Nilson Ericeira

10/07/2010

Cidade Operária aqui mora gente!

Aqui mora gente, mas não se tem cidadania.

Cidade Operária tem prefeito?

Enquanto o prefeito disse que não é possível que ele esteja presente em todos os bairros, São Luís padece com a falta de estrutura. Neste caso especial, um trecho da Avenida Principal da Cidade Operária.

Para que se tenha uma idéia do descaso, nas imediações da Feira da Cidade Operária, é um verdadeiro deus-nos-acuda de tantos buracos, são verdadeiras crateras que se abrem e o Poder Público dá as costas a esse tipo de problema.

Tenho registrado diariamente o estado das ruas e avenidas da Cidade Operária, como se não bastasse, observa-se que a parte interna do conjunto está em estado pior ainda: é buraco em cima de buraco.

Recentemente o prefeito João Castelo declarou que vai trabalhar que as chuvas já pararam. Não estou sendo pessimista, mas me parece ser a mesma desculpa de antes. Oh Maranhão!

08/07/2010

Poemas


É lei


Amar o próximo

Dividir o pão

Ser solidário

Amar o irmão.

É lei

Não sentir pena de quem tem fomes

Mas não sustentar quem os oprime.

É lei

A sapiência da vida

Construindo uma nação de iguais

Num país decente.

É lei,

Está nesta lei,

Todos são iguais perante a lei,

Todos são patriotas

E têm os mesmos direitos...

É lei

Essa lei

Nas favelas

E nos cárceres

Nas ruas e nos Congressos.

É lei essa lei do Brasil

De costas para si...

É ordem

Enxergar essa ordem

Perceber o óbvio

Sentir a dor que nos diminui, oprime.

É lei afligir-se com os nossos e os outros problemas

Que são nossos

Que são sociais.

Então, é lei

É ordem destruir essa “ordem”

Impor nossa desordem

Nessa ordem

É lei nessa ótica saciar nossas fomes

Ter-se-á

Comidas, amor, sentimentos e prazer...

Nesta lei e ordem

Mãos desenlaçadas

Mentes livres

Pensar, passarinho,

Forcas partidas,

Homens! Livres!

Nos seus artigos primeiro e último;

Homens nutridos no amor

Que alimenta a vida

Que rega o prazer de viver.

E essa lei?

Esta na lei.

Pois a lei que me passaram

Já me passou,

Não me conquistou

Mas ainda insiste em mídias, mídia e mídia.

Essa lei não me conforma

Deforma, destoa, à-toa.

Para ela não anoiteço e

Nem amanheço para a lei de alguns,

Mas já fiz ditados

Quando teleguiado,

Mas hoje sou a ordem,

Sem fomes, nem dores.

Impus a minha ordem em ações

Palavras concretas.

O grito: de alegria!

Sinal de um novo ser.

E não um fechar de sepulcro.

Nilson Ericeira

Poeta, jornalista, professor, psicopedagogo e estudante de Direito

07/07/2010

Arari terá um novo cais III

Quando da minha reportagem fotográfica, me deixei acomonhar pela boa prosa de Cavoeiro, no dtalhe faz pose para fotografia. Por isso é que as fotos ficaram boas. Meu auxiliar contribuiu com seu bom humor e alegria. Então veja.

Arari terá um novo cais II

Aspectos da construção de um novo cais em Arari. Fica em fente a Igeja da matriz e ladeia a Rua Grande, onde exerciam efetivo comércio na cidade de Arari.
E
Emtendo que aquele local volta a ser um dos mais bonitos e vai com certeza melhorar o aspecto urbanístico da cidade. Permita Deus que nada atrapalhe essa obra que há muito o povo já reclama.

Arari terá um novo cais

Construção do Cais de Arari, em frente à Igreja da Matriz, em Arari. Obra do Governo Federal que vai resgatar um belo cenário que nós de meia idade ainda tínhamos na memória, mas que a corrozão levou o restante dos escombros de um velho cais.
Não sou saudosistas, mas amo Arari de hoje e guardo com muito afeto as lembranças de outrora. POr aquele espaço existiam casas habitadas por antigos moradores. Muitos de nós íamos paquerar naquelas imediações. Por ali também ficava o antigo Café Dasitan.
Hoje as lembraças dão alento a uma outra realidade, uma vez que estive no loca e registrei imagens de uma nova esperança.  A esperança que o cais seja de fato, destavez, concluído e que as pessoas da cidade e os turistas ( Arari recebe muitos turistas mas não tem infraestrutura), possam contemplar um dos mais belos cartões postais do maranhão. O pôr do sol em Arari. às margesn do Rio Mearim.

01/07/2010

Arari em o cachorro de dona Delminda

Arari em o cachorro de dona Delminda


Num dia desses, (lá pelos anos de 1970)o finzinho de tarde, na nossa Arari, Seu Jorge Oliveira, um enfermeiro prático, dos melhores que teve em nossa cidade, sentava-se com de costume todas as tardes para prosear.

Mas ele estava intrigado: não é que as bananas da casinha estavam sendo furadas, comidas, estragadas por um animal. Seu Jorge, apesar de deficiente de uma perna, era trabalhador, plantava de tudo em seu quintal, por isso colhia com abundância.

Um dia seu Jorge espera pacientemente o animal traiçoeiro. Não é que um cachorro estava comendo as bananas de Seu Jorge.

Ele como bom vizinho tratou de comunicar a dona do cachorro larápio.

- Dona Delminda, disse Seu Jorge, seu cachorro está comento as minhas bananas.

- Onde é que já se viu Seu Jorge, cachorro comer banana! Só mesmo na sua cabeça cabe uma coisa dessas!

- Eu estou apenas lhe prevenindo!

- Um dia desses de finzinho de tarde, entra esbaforida na casa de seu Jorge, dona Delimda aos prantos: “Seu Jorge, Seu Jorge sê matou meu cachorro”!

- Mas Dona Delminda onde é que a senhora viu cachorro comer banana, só mesmo na sua cabeça, respondeu o sábio curandeiro.



Arari e o término da cachacinha

Ali, na Rua da franca, todos os dias um bêbado levava horas e horas bebendo todas! Quando ele chegava ao comércio de Senhor Dico Prazeres, já tochado, ele dizia: "bota uma aí veio!!!

Senhor Dico retrucava: rapaz acaba com essa cachaça, isso vai acabar te matando. O bêbedo de noem Chico Viana, nome fictício, diz:

- Sabe o que é Dico Prazer, eu até me esforço pra acabar com essa cachaça, mas tu ver né, que eu bebo um mucado, mas quando chego na casa de Zé de Melo, a pratelera tá cheinha. Aí eu num dô conta não. Tua tá é doido é que me matar!? (as incorreções são de propósito).

Arari acontece

Torneio da Integração de damas, que leva o nome do prefeito de Arari, Leão Santos, vai ser disputado no dia 27 de julho na própria cidade do interior do Maranhão para comemorar 146 anos de emancipação política do município. A disputa de tabuleiro será organizada pelo mestre de damas, Dotinha. O torneio, aberto ao público, deve tomar boa parte do dia. Está marcado para começar às 10h. O objetivo do torneio é desenvolver o potencial damístico nos arariense e ajudar a retirar os jovens do caminho das drogas, como sempre prega o desportista Dotinha.

Arari é destaque

A família é tudo

Uma reportagem para a história. Dona Antônia Silva Batalha, viúva do saudoso Domingos Aprígio batalha, ex-prefeito de Arari, no perído de 1977 a 1982. Exerceu também vários mandatos de vereador.
Na foto, digo reportagem fotográfica, Dona Aantônia, sendo moldurada pelo seu filho Rony, sua filha Rosário e demais parentes.

O flagrante aconteceu na Barraca do "VOS", da Seduc, no Ararial da Lagoa, ou melhor, da Liga, em que este humilde repórter farejava notícia.