29/10/2009

Um amor assim

Amor é assim,


Jasmim.

Entra e saiFica e olha em mim.

No peito,

Amor!

Nos olhos,

Os olhos meus.

Na minha imaginação,

Há todo o momento dela em mim!

É uma flor!

Essência, só.

Quem é essa flor menina.

Que anda em mim,

Circula.

Está no meu sangue corrente,

É meu corpo.

Ela sou eu em mim.

Minhas vozes,

Meu encanto,

Com vozes,

Aplausos.

Sons, Cores

E formas.

Indescritíveis.

É esse todo decifrável na alma

Que não é pequena

É vida em mim.


Nilson Ericeira

27/10/2009

Encaixe desencaixe

Deforma


Conforma

Informa

Peforma

Transforma

Desforma


Forma

Fôrma

Formação

Formatura

Informa



Ismo

Conforme

Disforme

Transforme

Forme.

Nilson Ericeira

15/10/2009

Aos Professores do Maranhão


Os semeadores de fé e esperança
Porque o Jardim é a própria vida, apesar dos espinhos

A essência do ser humano é a capacidade de ajudar a transformar homens em pessoas sociáveis, é ajudar os outros no dia-a-dia, seja com uma palavra amiga, com um pouco de atenção ou, talvez, com um enxergar diferenciado. Eles nos ensinam a olhar e agir com o sentimento de solidariedade e respeito. São estes seres humanos muito especiais, os professores, que ajudam as pessoas a se tornarem capazes e seguras para seguir seus próprios destinos, motivando-os a trincheiras de cidadania e, em lições de vida, a conquistarem valores insubstituíveis, incomensuráveis e indecifráveis, afins somente à liberdade.

Penso que os professores estão em nossas vidas assim como os nossos pais são na nossa eternidade. Nossos mestres representam sapiência, amor ao próximo, compartilhamento de pão e letras e sobre tudo, exemplos devida que nos devem servir iguais espelhos. Os professores nos proporcionam enxergar a nossa cara da forma real, sem retoques. Tenho dito que o caráter é o verdadeiro retrato das pessoas, traduzem em flashes de honra, liderança e serenidade. O que seríamos caso os professores não regassem nossos caminhos? Eles abrem caminhos, veredas e ainda semeiam e posteriormente, no período de maturação, a sociedade colhe os frutos. São iguais a semeadores [sementeiros] que sempre regam novos canteiros e constroem novos jardins. E no jardim da vida! É que me refiro a um amor sem igual: a abnegação de doar-se pelo outro sem preço e sem medida, em símbolos que apenas o tempo incomensurável traduz.

Imagino que a aula já começou e na chamada me refiro a um aluno em seus primeiros dias de aula, de um bebê nos primeiros gestos e encantos numa relação recíproca de sensibilidade, de interações com o meio. O que bem nos ensinaram Levi Vygotsky e Henri Wallon e deste modesto jornalista-professor e eterno aprendiz. Em breve remissão, imagino também que tantos mestres me deram e continuam me dando asas e a proporcionar outros vôos. Insisto dessa maneira, apesar das dificuldades, em ser insaciável a letras, em um vislumbrar da existência de seres humanos com suas diferenças, mas que sempre sejam respeitados e valorizados em quaisquer idades. Aproveito-me deste mandato para externar aminha gratidão, respeito e apreço aqueles que representam o que há de melhor em nosso Estado: os nossos professores!

Refiro-me a esses trabalhadores da educação que no labor cotidiano tem contribuído com seu suor, seu sangue e com ume grito polissêmico disseminado em sonhos que se materializam na sala de aula, em muitos cubiculos, nas escolas barracões e onde quer que o processo educacional se forje. Fala de sonhos que só se materializam com o encaminhar, no professar e no bem dizer. Por tudo isso, queridos mestres, escutem os nossos aplausos! Recebam com garbo, deferência e respeito os aplausos de todo o povo do Maranhão e em especial dos alunos de nossa terra.

Os professores são seres humanos, portanto portadores de virtudes e defeitos, de erros e acertos, de vitórias e (de)ilusões, de salários e de fomes orgânicas e inorgânicas. Mas apesar dos percalços, eles resistem bravamente em não aceitar os cárceres que favorecem apenas aqueles que nos desejam subjugados, humilhados e rastejantes, iguais a seus métodos e ideologias. Penso que qualquer governo ou governante por mais que defina de esquerda, de direita ou de centro, antes disso, deverá encontrar-se com a soberania do povo.

É do conhecimento de todos de que da educação enquanto política pública depende o nosso Estado para diminuir às desigualdades sociais, gritantes e deprimentes. Registra-se também o papel essencial que deverá ter o professor na superação dessas mazelas. Não obstante, eles ainda se ressentem de planos diferenciados de região para região do Estado, o que nos faz pessimistas em relação às leis. Só para que se tenha uma idéia, ainda existem situações no Maranhão em que os Planos de Cargos e Salários não passam do discurso; em que os salários são abaixo do Salário Mínimo Nacional e, quanto ao Piso Nacional de Salário, a gritaria é quase geral (apesar de entender o PNS com retrocesso), mas é a minha opinião. O professor precisa ser respeitado como agente que trabalha com o que há de maior valor numa sociedade: a educação.

Desta forma, os professores devem contribuir sempre com aprendizados, interações e virtudes que lhes são peculiares, ou seja, com o verdadeiro conceito de política que contemplem às políticas públicas e não aos políticos. Não precisamos de estatísticas, talvez apenas para nortear algumas ações, pois muitas vezes são dados estáticos e se escondem em axilas inescrupulosas como bases dos primeiros degraus ou de trampolins. Necessitamos de um maior índice de políticos realmente comprometidos com nossas crianças, muitas delas desnutridas de políticas de toda ordem. Igualmente se ressentem muitos adultos e seniores por falta de perspectivas e qualificação profissional. Já apensamos também que os jovens tem sido usados apenas para estetizarem slogans-midiáticos ou para um suposto furor de um novo tempo.

Reflito que para muitas de nossas autoridades está faltando é amor ao próximo, da forma com nos ensina o nosso Pai: “Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado”. As autoridades administram os recursos da sociedade e esta lhes confiou determinada função. A educação não se faz com fórmulas ou receitas. Educação é ebulição social constante. É luz que se renova e não se esgota no seu meio muito menos em seu fim. Falo de Educação enquanto política pública. O que torna um Estado soberano, liberto a partir de seu povo, e não a partir do querem que o povo seja. É comum ouvir de alguns políticos: “o meu destino está nas mãos do povo”. E o destino do povo está nas mãos e mentes de quem?

Imaginem o que estes mestres desejam a seus alunos! As aspirações dos professores se estendem a seus vizinhos, a seu bairro, sua comunidade, a seu município e Estado. Os professores são também os responsáveis pela permanente construção de uma nação. O que se traduz, quando em atitudes de professar, um ser humano é encaminhado rumo a um destino promissor? Os nossos professores sentem amor por seus alunos, matéria essencial e indispensável na convivência social. Mas o que nos reserva a educação além da sua transcendência? Talvez aprendamos ainda ser, a conviver, a conhecer e a aprender a aprender. Isso se traduz na matéria prima da bondade, do amor ao próximo, e do exercício permanente de cidadania e, acima de tudo, da sensibilidade e do compromisso social que a maioria dos professores tem. Essa é a prática.

Nessa radiografia, há inegavelmente na memória de quem compõe a nossa sociedade o inequívoco reconhecimento de quem nos constrói, nos estimulando a permanentes desafios, nos ensinando os primeiros passos, com letras, códigos, sinais e muita abnegação. Além de que nos apontam os caminhos e seguram firmes as nossas mãos, iguais guias eternos no encaminhar da vida: nossos professores. Pela história, pela vida e pela luta, parabéns professores do Maranhão!

Nilson de Jesus Ericeira Sousa
Poeta, jornalista, professor, psicopedagogo e estudante de Direito

10/10/2009

Essência do Amor

Amar é uma coisa tão boa

Que mexe comigo

E me faz ser cada vez mais ser humano

Amar é tão bom que faz muito mais chorar

De alegria e tristeza

Amar é uma coisa tão boa que me deixa assim

É um sentimento e me faz tão à-toa

Amar é tão simples que eu rio

E então, me derramo todo em lágrimas

Do teu oceano

Amar é tão simplesmente que é muito mais

Que apertar minhas mãos,

È abraçar-me, sentir-me contigo

E amar é tão essencial que mexe comigo

Mas não me basta provar deste pão

Amar é tão bom que me enxergo em você

Me encontro no outro

É tão bom que me faz ser um poeta assim

Mas amar é tão bom que faz sensitivo

Amante das coisas

Das pessoas

E do mundo...

Amar é tão bom

Que este poema é uma homenagem a ti.

Nilson Ericeira

09/10/2009

Política

João Melo de Sousa Bentivi é pré-candidato a governador do Maranhão. A declaração foi dada por ele mesmo, no Programa “Bom Dia São Luís”, comandada por Renato Sousa. Bentivi disse ainda que vai concorrer pelo PT do B e que o Partido terá chapa completa.
Quando questionado se Jakson Lago voltaria ao governo do Estado, em relação ao atual momento político, foi enfático: “Não! Roseana terminará o mandato”.

Aulas Interativas – Exercícios – Cont.

w) Rasgaram a folha. (VTD)

k) Esta mulher vive doente. (VL)

a.a) Meu pai vive em Brasília. (VI)

a.b) O Rapaz virou a mesa.

a.c) a moça, agora, virou santa. (VL)

a.d) A criança permanece quieta. (VL)

a.e) A criança permanece aqui. (VI)

a.f) A moça chegou à escola. (VI)

a.g) A moça se tornou agressiva. (VL)

a.h) Todos chegaram ás dez horas. (VI)

a.i.) Parece que estou febril. (VL)

a.j) Fomos ao teatro e voltamos. (VI),(VI)

a.l) Levei as crianças à escola. (VTD)

a.m) O caminhão transporta cana para a usina. (VTD)

a.n) Entregou-me duas melancias. (VTD)

* Devemos observar que na resposta dos itens, um a um, tornam-se desnecessárias explicações detalhadas, tendo em vista que a regra para cada caso é geral, ou seja, VTD, sem preposição; VTI, complemento com preposição; VI, não tem complemento necessariamente, mas apenas por uma questão de entendimento ou, quando a clareza no sentido da oração assim exigir. Quanto ao verbo de ligação (VL), devemos lembrar que este denota uma qualidade, defeito (PS) Predicativo do Sujeito.

Aulas Interativas - Respostas

a) O motor enguiçou. (este é um caso de VI, Verbo Intransitivo que encerra o significado nele mesmo).
b) Testei o televisor. (este é um caso de VTD, verbo que tem complemento e não é regido de preposição).
c) Só confio em Deus. (este é um caso de VTI, verbo que tem complemento e é regido por preposição).
d) Comecei o discurso. (VTD, verbo que tem complemento e não é regido de preposição)
e) Começaram as aulas. (este é um caso de verbo intransitivo (VI). Observe que o sujeito desta oração está deslocado. As aulas começaram, portanto, é a forma direta. O sujeito desta oração é as aulas.
f) Mataram os animais.  (VTD)
g) Esqueci tudo. (VTD) – lembre-se que o complemento do VTD é Objeto Direto (OD).
h) Esqueci-me de tudo. (VTI)
i)  Ninguém escapou. (VI) – o sujeito desta oração é ninguém.
j)  O aparelho falhou.  (VI)
l)  Temos bola e rede. (VTD)
m)Dei um passe a Riba. (TDI)
n) Tornei-me doutor. (VTD)
o) Fiz-lhe uma pergunta. (VTDI)
p) Estou nervoso. (VL)
q) Não existem rios no deserto. (VI)
r) Tudo parece brincadeira. (VL)
s) Não existe vida em Marte. (VI)
t) Não há vida em Marte. (VTD)
u) O filho preocupa o pai. (VTD)
v) Preocupo-me com você. (VTI)
x) Ninguém ficou gripado. (VL)
z) Seu pai está zangado. (VL)
y) Sua mãe está em Recife. (VI)

Outros Concursos Virão

Pergunte ao Secretário de Estado da Administração, Luciano Moreira, sobre a realização de concurso para a área administrativa da Educação.

A minha pergunta foi formulada assim:

Secretário Luciano Moreira, sabe-se da enorme carência de servidores da área administrativa no quadro de servidores da Educação, administrativos, agentes de vigilância, Auxiliares Operacionais e outros, o Estado vai realizar concurso para essas funções?
Luciano Moreira – Vai acontecer sim, só que em outra etapa. Numa etapa comum.

Nilson Ericeira (repórter): Como assim?

Luciano Moreira – vai ser um concurso geral para as Secretarias entre elas, Educação, Segurança, Saúde e outras e aí as Secretarias demandam as necessidades e os servidores serão lotados, conforme a necessidade.

Esta informação foi abstraída quando do lançamento do concurso público para preenchimento de 5.300 vagas para professores dos ensinos Fundamental e Médio, bem como da modalidade de Educação Especial.

Opinião – Há uma grande carência de profissionais da educação no quadro de servidores da Educação, da rede estadual de ensino. Há falta de servidores administrativos, mesmo com a realização do concurso ainda faltam cerca de 6.000 professores, faltam Supervisores e Administradores escolares. Só para que se tenha uma idéia tem escola que não tem a figura do Supervisor nem do Administrador Escolar.

Trata-se de uma realidade que precisa ser normalizada é, que, existem muitos servidores contratados ou em forma de bolsas o que contraria preceito Constitucional. Não estou falando de cargo comissionado em que também a Constituição determina que sejam preferencialmente ocupados por funcionários de carreira.

Eu escrevo, mas não invento.

06/10/2009

Nota de Falecimento

Faleceu na madrugada de hoje, dia 06, terça-feira, o senhor Eurico Costa. Senhor Eurico (seu Eurico) como era reconhecido pelos colegas da Seduc.

Ele nos deixou para a morada eterna, aos 97 anos, sendo que exerceu por mais de 35 anos bons serviços na Seduc.

O corpo de senhor Eurico está sendo velado na Pax União, na Rua Grande e o sepultamento será no Parque União, em Paço do Lumiar, às 4:00h.

Eurico deixa seus familiares, amigos e funcionários da Seduc com profunda dor, mas conscientes de que quando nos fez companhia trilhou pelos caminhos do bem e alegrou a todos com seu jeito sereno de ensinar compartilhando experiências, respeitando e sendo respeitado por todos.

A certeza de seu caráter coerente com seus valores, a lucidez no trabalho e, principalmente, o companheirismo com todos que o cercavam, serão sempre lembrados por todos que aqui ficam regozijando-se de ter feito parte da história dessa liderança-servidora de quem todos nos orgulhamos.

Adeus Eurico!

Nilson Ericeira

Poeta, jornalista, professor, psicopedagogo, estudante de Direito e servidor da Seduc

03/10/2009

Sem norte

Sem norte

E normalmente incapaz

Diante de uma vida fria

De amor e de dor...

Penúria voraz de um ser castrado

Em ínfimos desejos

De busca incessante

Do amor de mim mesmo,

Distante,

Mas há vazios,

Desencontros ,

Confrontos e desilusões.

Terno homem,

Já com a cor pálida,

Olhos osfuscados,

Avermelhados.

No amor machucado.

Silencia-se em perturbações

E destroços

E ainda assim acredita em sonhos.

Nilson Ericeira

(Poema produzido em 28.03. 1998)

Amor infinito

Eu não cessei esse Amor

Não me refugiei desse querer

Eu não te aprisionei em mim

Eu te possuo e não cessei em te querer

Não desnudei desse Amor

Nem escamoteei um querer assim

Não ofusquei desejos

E nem me esqueci daquela lágrima

E, que,

O tempo não me leve a outro tempo

Que não seja a ti

Em uma saudade assim.

Eu não cessei em te querer

E por isso teço poemas

Juras, encantos...

E sonho.

Em cada fio desse sem-ti

Em cada ponta e em toda linha

É esse Amor na extensão de ti.

E essa lágrima que tece esse sentido

Igual a um fio,

Infinito desejo

De teu corpo, em teu seio,

Saciar Amor.

Nilson Ericeira